Recomendações para o seguimento do doente tratado por cancro colorectal

Autores

  • Nuno Matos Costa Interno do Internato Complementar de Oncologia Médica, Departamento de Oncologia Médica, Instituto Português de Oncologia do Porto
  • Camila Coutinho Assistente Hospitalar, Serviço de Oncologia Médica, Hospital Nossa Senhora da Oliveira, Guimarães
  • Ana Cristina Raimundo Assistente Hospitalar, Serviço de Oncologia Médica, Hospital de São João, Porto
  • Maria Fragoso Assistente Graduada, Departamento de Oncologia Médica, Instituto Português de Oncologia do Porto
  • Evaristo Sanches Chefe de Serviço, Departamento de Oncologia Médica, Instituto Português de Oncologia do Porto

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v20i2.10026

Palavras-chave:

Cancro colorectal, Seguimento, ASCO

Resumo

O cancro colorectal é a segunda neoplasia mais frequente em homens e mulheres. Os doentes tratados apresentam um risco de recorrência elevado, pelo que o seguimento assume um papel crucial para a sua detecção precoce. As estratégias de seguimento são diferentes entre países e, dentro de cada país, entre as diferentes instituições. Em comum procuram melhorar: 1) a sobrevivência global; 2) a qualidade de vida; e 3) a razão custo/benefício. Os autores apresentam um algoritmo de seguimento para os doentes tratados por cancro colorectal, o qual assenta nos índices das recomendações da Sociedade Americana de Oncologia Médica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2004-03-01

Como Citar

Costa, N. M., Coutinho, C., Raimundo, A. C., Fragoso, M., & Sanches, E. (2004). Recomendações para o seguimento do doente tratado por cancro colorectal. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 20(2), 204–6. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v20i2.10026