Centro de Saúde - Organização de aprendizagem

Autores

  • Ana Ferrão Chefe de serviço de Medicina Geral e Familiar Centro de Saúde de Cascais
  • André Biscaia Médico no Centro de Saúde de Cascais, Investigador no Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v22i1.10213

Resumo

Os Centros de Saúde são «organizações-vivas» e qualquer abordagem que os situe como «organizações-máquinas», em que tudo se processe segundo uma causalidade linear e previsível, está votada ao fracasso. Neste artigo, os Centros de Saúde são pensados como organizações de aprendizagem - organizações em que a aprendizagem é uma característica nuclear, onde se promove sistematicamente a aprendizagem e o desenvolvimento individual, colectivo e organizacional, para melhorar a prestação de cuidados de saúde de um modo que seja cada vez mais satisfatório para a população que servem, os seus profissionais, as administrações, os parceiros e todos os interessados. São organizações abertas ao exterior num fluxo recíproco de conhecimentos e experiências e em que as relações interpessoais assumem um papel estruturante e promotor de qualidade. A reforma em curso nos Cuidados de Saúde Primários, à medida que se for implementando, aumentará a probabilidade de que mais Centros de Saúde se queiram tornar organizações de aprendizagem.

Downloads

Publicado

2006-01-01

Como Citar

Ferrão, A., & Biscaia, A. (2006). Centro de Saúde - Organização de aprendizagem. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 22(1), 91–5. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v22i1.10213

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>