Complicações renais da diabetes Mellitus

Autores

  • Cláudia Freitas Antão Interna do Internato Complementar de Medicina Geral e Familiar. Centro de Saúde da Póvoa de Santa Iria Unidade de Saúde de Vialonga
  • Rosa Gallego Médica de Família. Centro Saúde de Vila Franca Xira
  • Jorge Caldeira Chefe de Serviço de Diabetologia. Hospital Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v23i5.10407

Palavras-chave:

Diabetes Mellitus, Complicações da Diabetes Mellitus, Nefropatia, Microalbuminúria, Macroalbuminúria, Risco Cardiovascular

Resumo

Introdução: A nefropatia diabética afecta cerca de 10 a 40% dos doentes diabéticos e é hoje a patologia mais frequentemente associada a novos casos de doentes hemodialisados. Com o aumento da prevalência da diabetes mellitus a nível mundial, aliado à maior sobrevida dos doentes diabéticos, é de esperar que a prevalência das complicações associadas a esta epidemia também venha a aumentar. Esta realidade assume uma maior gravidade pela evidência da relação entre a nefropatia diabética e o aumento do risco de morbilidade e mortalidade cardiovasculares nestes doentes, tornando essencial o conhecimento das medidas diagnósticas, preventivas e terapêuticas necessárias para uma correcta abordagem e melhoria dos cuidados prestados. Objectivo: Realizar uma revisão, assente na Medicina Baseada na Evidência, dos conceitos, factores de risco e principais medidas preventivas, diagnósticas e terapêuticas envolvidas na nefropatia diabética. Metodologia: Foi realizada uma pesquisa documental nas bases de dados da MedLine, Pubmed Central, TRIP Database, Bandolier, National Guideline Clearinghouse e Index RMP online, que resultou na selecção de 104 artigos. Foram também consultadas fontes bibliográficas de referência. Conclusão: A nefropatia diabética cursa com albuminúria, hipertensão e o declínio da taxa de filtração glomerular. A prevenção e tratamento passam pelo controlo apertado dos seus principais factores de risco: hiperglicemia e hipertensão. O início da terapêutica com inibidores da enzima de conversão da angiotensina ou antagonistas dos receptores da angiotensina, mesmo antes do aparecimento da microalbuminúria, é fundamental para a não progressão da lesão renal e diminuição da morbimortalidade cardiovascular associada. Outras medidas terapêuticas, como o controlo do perfil lipídico, dieta, exercício físico, perda ponderal e cessação tabágica, para além de modularem o risco cardiovascular, também poderão contribuir para a nefroprotecção.

Downloads

Publicado

2007-09-01

Como Citar

Antão, C. F., Gallego, R., & Caldeira, J. (2007). Complicações renais da diabetes Mellitus. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 23(5), 577–94. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v23i5.10407