Estudo G.R.I.P.E. (Garantia de Receituário Incentivado pelo Especialista)

Autores

  • António Macedo Interno de Medicina Geral e Familiar no C.S. Senhora da Hora
  • Elias Filipe Interno de Medicina Geral e Familiar no C.S. Paredes/Rebordosa
  • Elisa Guerra Interna de Medicina Geral e Familiar no C.S. S. Mamede de Infesta
  • Paula Pamplona Interna de Medicina Geral e Familiar no C.S. Maia/Águas Santas
  • Sónia Cardoso Interna de Medicina Geral e Familiar no C.S. Rio Tinto/S. Pedro da Cova (Brás-Oleiro)

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v25i1.10585

Palavras-chave:

Gripe, Vacinação, Garantia da Qualidade dos Cuidados de Saúde

Resumo

Introdução: A vacinação anual é o principal método de prevenção e controlo da infecção gripal sazonal e das suas complicações, devendo ser dirigida aos grupos populacionais de alto risco, como os idosos (idade ³65 anos). Os médicos de família (MF) têm um papel importante no controlo desta doença no sentido de promover a vacinação. Objectivo: Avaliar e garantir a qualidade do aconselhamento e/ou prescrição da vacina anti-gripal pelos MF nos idosos. Tipo de estudo: Descritivo e transversal. Local: Cinco centros de saúde (CS) da Região Norte. População: Todos os idosos inscritos nos CS estudados. Métodos: Dimensão estudada: qualidade técnico-científica. Unidade de estudo: 375 utentes inscritos nas listas de MF dos CS avaliados, que completaram 65 anos até 30 de Setembro de 2006. Foram avaliados cinco médicos de família em cada CS no período de 1 de Setembro de 2006 e 28 de Fevereiro de 2007. Base de estudo: amostra aleatória sistemática de 375 utentes, de base institucional.Tipo de dados: de processo. Fonte de dados: processos clínicos e SAM.Tipo de avaliação: interna. Critérios: Registo do aconselhamento ou prescrição da vacina anti-gripal no período em estudo aos utentes idosos. Avaliação temporal: retrospectiva. Tipo de intervenção prevista: estrutural e educacional. Resultados: Em 49,3% dos casos não foi encontrado nenhum registo de aconselhamento e/ou prescrição da vacina da gripe no grupo alvo. Em 50,7% dos processos a vacina tinha sido aconselhada (5,1%) ou prescrita (45,6%), permitindo alcançar o padrão de qualidade suficiente. Entre as diferentes unidades de saúde a taxa de aconselhamento/prescrição variou entre 36% (insuficiente) e 68% (suficiente). Conclusões: É necessária uma melhoria contínua da qualidade da prescrição da vacina da gripe nos grupos de risco. Propõe-se a formação de um grupo de trabalho para o Desenvolvimento Contínuo da Qualidade nesta área em cada Centro de Saúde.

Downloads

Publicado

2009-01-01

Como Citar

Macedo, A., Filipe, E., Guerra, E., Pamplona, P., & Cardoso, S. (2009). Estudo G.R.I.P.E. (Garantia de Receituário Incentivado pelo Especialista). Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 25(1), 13–8. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v25i1.10585

Edição

Secção

Investigação Original