Conhecimentos sobre doenças de exclusão escolar temporária em creches e jardins-de-infância da área de influência do Centro de Saúde do Lumiar

Autores

  • Paula Nunes Médica Interna do Internato Médico de Pediatria do Hospital S. Francisco Xavier, Lisboa.
  • Mara Silva Ferreira Médica Interna do Internato Médico de Pediatria do Hospital do Barlavento Algarvio, Portimão.
  • Bruno Heleno Assistente de Medicina Geral e Familiar na USF das Conchas, ACES Lisboa Norte e Assistente Livre da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v26i6.10795

Palavras-chave:

Creches, Doenças Transmissíveis

Resumo

Objectivos: Caracterizar os conhecimentos dos educadores de infância e auxiliares de acção educativa sobre medidas de prevenção de infecções. Identificar sintomas ou doenças que, segundo os educadores de infância e auxiliares de acção educativa, justificam a exclusão escolar temporária. Tipo de estudo: Não experimental, exploratório, descritivo, transversal. Local: Creches e jardins-de-infância da área de influência do Centro de Saúde do Lumiar (Lisboa). População: Educadores de infância e auxiliares de educação. Métodos: Aplicação de questionário auto-preenchido a educadores de infância e auxiliares de educação que exerciam a sua actividade no período de 01/05/2009 a 31/06/2009 em creches/jardins-de-infância da área de influência do Centro de Saúde do Lumiar. Resultados: Das 31 instituições convidadas, 24 aceitaram participar no estudo (267 profissionais). Foram correctamente preenchidos 223 inquéritos (83,5%), a idade média da população estudada foi 37,4 anos, 50,2% dos profissionais afirmaram ter recebido formação em doenças contagiosas da infância. A causa mais apontada como responsável por doenças contagiosas na criança foi o ambiente fechado dos infantários (72,2%). A lavagem das mãos foi referida por 94,2% dos profissionais como medida preventiva de infecções. A febre que não cede aos antipiréticos foi considerada como factor de exclusão por 91,9% dos inquiridos. A falta de ar não foi considerada por 21,5% dos inquiridos como motivo de exclusão. A diarreia com sangue foi o mais referido dos sintomas gastrointestinais (88,8%). A escarlatina e o sarampo foram apontados por 97,8% dos profissionais como motivo de exclusão escolar. Das doenças que justificam exclusão escolar, a meningite foi a mais referida (93,3%). Conclusões: Os sintomas mais valorizados pelos profissionais de educação nem sempre coincidem com os considerados pelos profissionais de saúde, o que pode condicionar o afastamento escolar não fundamentado. A nível institucional poderá ser útil o desenvolvimento de protocolos de conduta face a sintomas comuns.

Downloads

Publicado

2010-11-01

Como Citar

Nunes, P., Ferreira, M. S., & Heleno, B. (2010). Conhecimentos sobre doenças de exclusão escolar temporária em creches e jardins-de-infância da área de influência do Centro de Saúde do Lumiar. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 26(6), 533–44. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v26i6.10795

Edição

Secção

Investigação Original

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>