O que ocupa os médicos de família? Caracterização do trabalho médico para além da consulta

Autores

  • Mónica Granja Médica de Família, Centro de Saúde Senhora da Hora, Unidade Local de Saúde de Matosinhos.
  • Carla Ponte Médica de Família, Unidade de Saúde Familiar Porta do Sol, Unidade Local de Saúde de Matosinhos.

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v27i4.10870

Palavras-chave:

Prática Profissional, Medicina Geral e Familiar, Carga de Trabalho

Resumo

Objectivos: Determinar o tempo despendido pelos médicos de família com consultas e com tarefas para além da consulta, o número de consultas e de contactos não presenciais e o tipo de tarefas realizadas. Tipo de estudo: Exploratório, observacional, descritivo, transversal. Local: Centros de saúde da Unidade Local de Saúde de Matosinhos (ULSM). População: Médicos de família (MF) da ULSM. Métodos: Convidou-se uma amostra de conveniência de 46 MF a registar, durante 2 a 5 dias, nos meses de Junho e Julho 2010: tempos de permanência na sua unidade, de pausa e de realização de tarefas para além da consulta; número de contactos presenciais e não presenciais; e tipos de tarefas realizadas. A amostra foi caracterizada e as variáveis foram codificadas, registadas e tratadas informaticamente usando parâmetros de estatística descritiva. Resultados: Participaram 13 MF (taxa de resposta 28%) e registaram-se as actividades de 52 dias, incluindo 986 consultas, 514 contactos não presenciais e 101 horas de tarefas. Do tempo de trabalho efectivo diário, 23% foi ocupado com tarefas (média diária 01h:57m), com registo de uma média de 10 contactos não presenciais, e 06h:31m foram dedicadas a uma média de 19 consultas por MF. As tarefas mais reportadas foram: telefonemas/e-mails, registos, avaliação de resultados de exames, renovação de prescrições, emissão de relatórios/declarações, contacto com outros profissionais, referenciações e reuniões de serviço. Conclusões: O tempo diário despendido pelos médicos de família em tarefas para além da consulta foi 01h:57m, correspondendo a 23% da sua carga horária e aproximando-se do encontrado em estudos norte-americanos. Na interpretação destes resultados há a considerar possíveis vieses de selecção e de informação. Este estudo torna visível a multiplicidade de tarefas que os MF realizam e o tempo com elas despendido, o que poderá contribuir para um maior reconhecimento do seu peso e importância e a uma maior satisfação profissional.

Downloads

Publicado

2011-07-01

Como Citar

Granja, M., & Ponte, C. (2011). O que ocupa os médicos de família? Caracterização do trabalho médico para além da consulta. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 27(4), 388–96. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v27i4.10870

Edição

Secção

Investigação Original

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>