Comparação da prescrição de antibacterianos em 2001 e 2007: Um estudo na rede Médicos Sentinela

Autores

  • Eleonora Paixão Estatista, Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
  • Maria João Branco Estatista, Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
  • Emanuel Rodrigues Médica de Saúde Pública, Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
  • José Marinho Falcão Médico de Saúde Pública, Epidemiologista, Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v28i2.10925

Palavras-chave:

Prescrição, Terapêutica, Médicos de Família, Rede Médicos-Sentinela, Antibacterianos

Resumo

Objectivos: Comparar a prescrição de cefalosporinas e quinolonas pelos médicos de Medicina Geral e Familiar (MGF), participantes da Rede Médicos-Sentinela (MS), em 2007, com a observada num estudo semelhante realizado em 2001, estimando: i) o número de antibacterianos (AB) prescritos por 1.000 utentes; ii) a percentagem de prescrições de cefalosporinas; e iii) a percentagem de prescrições de quinolonas. Tipo de estudo: Observacional, descritivo, transversal. Local: Centros de Saúde de Portugal onde trabalham os médicos da Rede MS. População: Lista de utentes dos médicos da Rede MS. Métodos: O estudo foi realizado no âmbito da Rede MS que permite estimar indicadores de base populacionais. A notificação das prescrições de AB decorreu em 2001 e em 2007. Foram calculados índices de frequência anual da prescrição de AB (nANTI = número de prescrições de AB por 1.000 indivíduos), desagregados por sexo e idade. Resultados: Foram estudadas 12.184 prescrições de AB em 2001 e 9.034 em 2007, relevando-se: o número de prescrições de cefalosporinas por 1.000 utentes, assim como a percentagem de prescrição no total de prescrições de AB, foram menores em 2007 relativamente a 2001 (respectivamente, nANTI = 8,2 e 10,1%, em 2007 e nANTI = 11,1 e 11,9%, em 2001); o número de prescrições de quinolonas por 1.000 utentes foi menor em 2007 relativamente a 2001 (respectivamente, nANTI = 13,2 e nAN- TI = 14,2) mas a percentagem de prescrição no total de prescrições de AB foi maior em 2007 do que em 2001 (respectivamente, 16,2 e 15,3%). Conclusões: O número de prescrições de cefalosporinas e de quinolonas por 1.000 utentes foi menor em 2007 relativamente a 2001. De 2001 para 2007, a percentagem de prescrição foi menor nas cefalosporinas mas superior nas quinolonas. O grupo etário dos 75 e mais anos registou um aumento em 2007, quer nas cefalosporinas, quer nas quinolonas, sendo este aumento estatisticamente significativo neste último subgrupo.

Downloads

Publicado

2012-03-01

Como Citar

Paixão, E., Branco, M. J., Rodrigues, E., & Falcão, J. M. (2012). Comparação da prescrição de antibacterianos em 2001 e 2007: Um estudo na rede Médicos Sentinela. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 28(2), 88–96. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v28i2.10925