Análise sumária de urina de rotina: porquê e para quê?

Autores

  • Carla Lopes da Mota Assistente de Medicina Geral e Familiar - UCSP Barão do Corvo II (Afurada) - ACeS Grande Porto VII - Gaia
  • Helena Paula Beça Assistente de Medicina Geral e Familiar – USF Espinho – ACeS Grande Porto VIII – Espinho/Gaia

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v29i4.11109

Palavras-chave:

Análise Sumária de Urina, Rastreio

Resumo

Objectivo: Determinar qual o benefício da análise sumária de urina no rastreio de adultos assintomáticos, à luz da melhor evidência disponível. Fontes de dados: Cochrane Library, Trip Database, Dare, National Guideline Clearinghouse, Finland Evidence Based Medicine Guidelines, PubMed, UpToDate, Index de Revistas Médicas Portuguesas e nas citações relacionadas. Métodos de revisão: Foi realizada uma pesquisa nas bases de dados citadas, utilizando os termos MeSH urinalysis e mass screening. A pesquisa foi limitada aos artigos publicados até Março de 2012, em inglês e português. Para avaliar o nível de evidência e a força de recomendação foi utilizada a taxonomia SORT (Strength of Recommendation Taxonomy) da American Academy of Family Physicians. Resultados: Foram encontrados 459 artigos e seleccionados, por cumprirem os critérios de inclusão, uma revisão sistemática, dois artigos originais, duas normas de orientação clínica e um artigo de revisão. Após a sua análise, verifica-se que, apesar de ser um exame frequentemente pedido, a alteração à orientação clínica previamente definida ocorre em menos de 5% dos casos, implicando nestes a realização de novos exames complementares de diagnóstico mais onerosos e invasivos sem benefício relevante para a maioria dos utentes. Conclusões: O uso da análise sumária de urina, como teste de rastreio em adultos assintomáticos, não demonstrou benefício, pelo que não está recomendado (SOR A). A evidência contra o seu uso sistemático é clara, consistente e tem já várias décadas, como comprovado pela data de realização dos estudos apresentados e pela inexistência de estudos recentes. No entanto, em Portugal mantém-se a realização deste teste nas mais diferentes circunstâncias, como “rotina” ou estudo pré-operatório, pelo que se sugere a definição de novas regras na sua utilização

Downloads

Publicado

2013-07-01

Como Citar

Mota, C. L. da, & Beça, H. P. (2013). Análise sumária de urina de rotina: porquê e para quê?. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 29(4), 244–8. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v29i4.11109