Ciclo de melhoria de qualidade para aumentar a obtenção de consentimento informado em procedimentos de planeamento familiar

Autores

  • Matilde Padrão Dias Médica interna de Medicina Geral e Familiar, USF Dafundo, ACES Oeiras
  • Cecília Shinn Médica interna de Medicina Geral e Familiar, USF S. Julião, ACES Oeiras
  • Liliana Amaral Médica interna de Medicina Geral e Familiar, USF S. Julião, ACES Oeiras
  • Maria João Araújo Médica interna de Medicina Geral e Familiar, USF Conde de Oeiras, ACES Oeiras
  • Ana Pinto Secretária clínica, USF S. Julião, ACES Oeiras
  • Paula Gonzalez Enfermeira, USF S. Julião, ACES Oeiras
  • Daniel Pinto Médico especialista de Medicina Geral e Familiar, USF S. Julião, Departamento de Medicina Geral e Familiar – Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i3.11360

Palavras-chave:

Consentimento Informado, Planeamento Familiar, Melhoria da Qualidade

Resumo

Objetivos: A equipa da Unidade de Saúde Familiar (USF) S. Julião verificou que o consentimento informado não era obtido nos procedimentos de planeamento familiar – colocação de dispositivo intra-uterino e de implante subcutâneo. Foi criada uma equipa de investigação para realizar um ciclo de melhoria de qualidade, com o objetivo de aumentar a taxa de obtenção de consentimento informado. Tipo de estudo: Estudo pré-experimental, pré- e pós-intervenção, sem grupo controlo. Local: USF S. Julião. População: Utentes da USF S. Julião que coloquem dispositivo intra-uterino ou implante contracetivo. Métodos: Em agosto de 2012 já tinha sido adotado um formulário de consentimento e nos meses seguintes foi obtido consentimento em 62,5% dos procedimentos, o que foi considerado insuficiente. A equipa de investigação organizou a realização de grupos focais em março de 2013 para definir estratégias de melhoria. O outcome primário foi a taxa de obtenção de consentimento em procedimentos de planeamento familiar. Foi estabelecida a meta de 95% e a adesão às estratégias foi monitorizada. Calculou-se uma dimensão amostral pós-intervenção de 18 utentes. Definiram-se dois períodos pós-intervenção: imediato (0 a 3 meses) e tardio (4 a 6 meses). Utilizou-se o teste exato de Fisher para comparar a taxa de obtenção do CI com o período pré-intervenção. Resultados: A monitorização das estratégias definidas revelou o cumprimento total das mesmas. Foi obtido o consentimento em todos os procedimentos de planeamento familiar realizados tanto no período pós-intervenção imediato como no pós-intervenção tardio, em comparação com 62,5% no período pré-intervenção (p < 0,001). Conclusões: Os profissionais da USF conseguiram implementar as estratégias e melhorar a obtenção de consentimento. O envolvimento de toda a equipa poderá ter aumentado a eficácia da intervenção. A aplicação das estratégias em apenas uma unidade limita a generalização dos resultados. Contudo, estratégias simples parecem aumentar significativamente a taxa de obtenção do consentimento.

Downloads

Publicado

2014-05-01

Como Citar

Dias, M. P., Shinn, C., Amaral, L., Araújo, M. J., Pinto, A., Gonzalez, P., & Pinto, D. (2014). Ciclo de melhoria de qualidade para aumentar a obtenção de consentimento informado em procedimentos de planeamento familiar. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 30(3), 168–72. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i3.11360

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>