Rastreio do aneurisma da aorta abdominal – revisão baseada na evidência

Autores

  • Vítor Portela Cardoso Interno de Medicina Geral e Familiar. Mestrado Integrado em Medicina pela Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho. Unidade de Saúde Familiar Gualtar
  • Paula Mendes Interna de Medicina Geral e Familiar. Mestrado Integrado em Medicina pela Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho. Unidade de Saúde Familiar Maxisaúde

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i5.11387

Palavras-chave:

Aneurisma da Aorta Abdominal, Rastreio, Mortalidade, Efeitos Laterais

Resumo

Objetivo: Rever a evidência sobre a mortalidade e os efeitos laterais do rastreio do aneurisma da aorta abdominal (AAA) em adultos assintomáticos. Fontes de Dados: National Guideline Clearinghouse, Guidelines Finder, Canadian Medical Association Practice Guidelines, Cochrane, DARE, Bandolier, MEDLINE e Índex de Revistas Médicas Portuguesas. Métodos: Realizou-se uma pesquisa de meta-análises (MA), revisões sistemáticas (RS), ensaios clínicos aleatorizados e controlados (ECAC) e normas de orientação clínica (NOC), publicados entre 01/01/2003 e 23/03/2013, nas línguas portuguesa, espanhola, inglesa e francesa, utilizando os termos MeSH: abdominal aortic aneurysm e mass screening. Adotou-se a escala Oxford Centre for Evidence-Based Medicine (CEBM) para avaliação da qualidade dos estudos e atribuição dos níveis de evidência (NE). Resultados: Foram obtidos 337 artigos, tendo sido incluídas 2 MA, 1 RS e 7 NOC. A RS e as MA selecionadas demonstraram que o rastreio diminuía significativamente a mortalidade por AAA nos homens com idades entre os 65-75 anos, mas não nas mulheres. A diminuição da mortalidade por todas as causas foi observada numa MA, tendo sido estimado um número necessário para rastrear de 156, inferior a programas de rastreios oncológicos atualmente instituídos. O rastreio duplicou o número de cirurgias eletivas e diminuiu para cerca de metade o número de cirurgias de emergência por rotura de AAA. Conclusões: A evidência encontrada foi consistente e de boa qualidade, demonstrando a redução da mortalidade por AAA através do rastreio do AAA em homens assintomáticos com idades >= 65 anos (NE1). O tratamento do AAA está associado a riscos significativos de morte operatória e complicações que poderão ser aceitáveis nos indivíduos de alto risco.

Downloads

Publicado

2014-09-01

Como Citar

Cardoso, V. P., & Mendes, P. (2014). Rastreio do aneurisma da aorta abdominal – revisão baseada na evidência. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 30(5), 306–14. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i5.11387