Prescrição de psicofármacos nos cuidados de saúde primários no Porto: estudo transversal

Autores

  • Rita Lopes Médica Interna de Medicina Geral e Familiar – USF Horizonte, ULS Matosinhos
  • John Yaphe Professor Associado - Instituto de Ciências da Vida e da Saúde (ICVS), Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Minho e ICVS/3B´s Laboratório Associado
  • Maria José Ribas Presidente do Conselho Clínico e de Saúde do ACeS Porto Ocidental, Médica Assistente Graduada de Medicina Geral e Familiar – USF Garcia de Orta

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i6.11401

Palavras-chave:

Médico de Família, Prescrição, Psicofármaco

Resumo

Objetivo: Caracterizar a prescrição de ansiolíticos e antidepressivos e analisar a associação com características do médico prescritor e da unidade de saúde. Tipo de estudo: Observacional, analítico, transversal. Local: Unidades de saúde (US) do Agrupamento de Centros de Saúde Porto Ocidental. População: Médicos de família. Métodos: Foram recolhidos dados no Sistema de Informação da Administração Regional de Saúde (SIARS©) que incluíam todas as prescrições efetuadas informaticamente em 2009. Foram analisadas variáveis relativas a cada médico (género, idade, número de utentes e número de unidades ponderadas) e a cada US (tipo e indicadores de morbilidade da população). Estudaram-se os fármacos mais prescritos de cada grupo, alprazolam e fluoxetina, utilizando indicadores preconizados de quantidade (dose diária definida por mil utentes por dia: DUD) e custo. Utilizaram-se medidas descritivas e os testes de qui‐quadrado, não paramétrico de Kruskal‐Wallis e correlação de Spearman. O erro alfa aceite como significativo foi de 5%. Resultados: Os perfis de prescrição de 95 médicos, de 12 US, revelam grande variabilidade (DUD alprazolam: média (M)=19,74, desvio padrão (DP)=9,29, mínimo (Mín)=5,12, máximo (Máx)=60,83; DUD fluoxetina: M=9,18, DP=4,39, Mín=0,71, Máx=28,37). Os médicos mais prescritores (acima do percentil 95) prescreveram cerca de 5 vezes mais alprazolam do que os menos prescritores (abaixo do percentil 5), o mesmo se verificando para a fluoxetina. A maioria (82%) prescreve sistematicamente embalagens de 60 comprimidos de alprazolam. Não foram encontradas associações importantes entre os padrões de prescrição e as características avaliadas dos médicos ou das US. Conclusões: Os resultados são comparáveis a outros estudos, reforçando o potencial do sistema de informação como ferramenta de reflexão acerca da prescrição. A variabilidade encontrada reforça a necessidade de uniformizar os padrões de prescrição entre médicos e de adaptar o sistema de informação à unidade padronizada internacionalmente, o número de DUD, de forma a permitir comparações e medidas de melhoria.

Downloads

Publicado

2014-11-01

Como Citar

Lopes, R., Yaphe, J., & Ribas, M. J. (2014). Prescrição de psicofármacos nos cuidados de saúde primários no Porto: estudo transversal. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 30(6), 368–76. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i6.11401

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>