Perceção do diagnóstico de depressão e ansiedade pelo médico de família conforme o género do paciente

Autores

  • Nuno Basílio Médico Interno de Medicina Geral e Familiar, USF Carcavelos, ACeS Cascais
  • Sofia Figueira Médica Interna de Medicina Geral e Familiar,USF S. Julião, ACeS Lisboa Ocidental e Oeiras
  • José Mendes Nunes ProfessorAssistente convidado do Departamento de Medicina Geral e Familiar,NOVA Medical School. Médico Assistente Graduado Sénior, USF Carcavelos, ACeS Cascais

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v31i6.11623

Palavras-chave:

Depressão, Ansiedade, Género, Diagnóstico, Cuidados de Saúde Primários.

Resumo

Objetivo: Avaliar se o género do paciente condiciona o diagnóstico de depressão e ansiedade e a escolha da terapêutica antidepressiva no contexto dos cuidados de saúde primários (CSP) em Portugal. Tipo de estudo: Observacional, analítico e transversal. Local: Escolas de Outono da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) 2014. População: Definiu-se uma amostra de conveniência constituída por médicos de família e internos de medicina geral e familiar (MGF) que participaram no evento, sem restrição de anos de prática clínica. Métodos: Aplicou-se um questionário anónimo de autopreenchimento com base na leitura de uma história clínica com duas versões que diferiam apenas no género do paciente. Cada participante teve acesso a apenas uma versão. Resultados: Obtiveram-se 79 respostas para cada versão (158 inquiridos). Nesta amostra, 82,3% dos inquiridos são mulheres e 90,5% são internos. A média total de idades é 29,7 anos. A probabilidade de atribuir o diagnóstico de depressão foi ligeiramente superior na versão referente ao paciente do género feminino (p=0,046). Relativamente ao diagnóstico de ansiedade encontrou-se uma diferença estatisticamente significativa (p <0,001), sendo mais provável este diagnóstico quando o paciente é do sexo masculino. Não houve diferenças quanto à probabilidade de recuperar sem terapêutica, beneficiar de terapêutica antidepressiva ou psicoterapia e na gravidade atribuída ao quadro depressivo. Conclusões: Perante um quadro clínico de depressão, o género do paciente não parece influenciar o diagnóstico de depressão. Face aos mesmos sintomas, o género masculino correlaciona-se com uma maior probabilidade de diagnóstico de ansiedade. Contudo, a abordagem com recurso a histórias clínicas padronizadas pode não representar as escolhas dos participantes na prática clínica. A amostra selecionada tem maioritariamente internos, inviabilizando a extrapolação para a população de especialistas. Este trabalho serve como ponto de partida para uma reflexão crítica relativamente à possibilidade da perceção clínica ser afetada por estereótipos associados ao género.

Downloads

Publicado

2015-11-01

Como Citar

Basílio, N., Figueira, S., & Nunes, J. M. (2015). Perceção do diagnóstico de depressão e ansiedade pelo médico de família conforme o género do paciente . Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 31(6), 384–90. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v31i6.11623

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>