Hipertensão no grande idoso: tratar ou não tratar?

Autores

  • Teresa Moura Bastos Médica interna de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Cuidados de Saúde Primários Sul, Centro de Saúde de Oliveira de Azeméis, Agrupamento de Centros de Saúde Entre Douro e Vouga II, Administração Regional do Norte
  • Sofia Azenha Médica especialista de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Saúde Familiar Famílias, Centro de Saúde de Santa Maria da Feira, Agrupamento de Centros de Saúde Entre Douro e Vouga I, Administração Regional do Norte
  • Tânia Dias Médica interna de Medicina Geral e Familiar. Unidade de Saúde Familiar Famílias, Centro de Saúde de Santa Maria da Feira, Agrupamento de Centros de Saúde Entre Douro e Vouga I, Administração Regional do Norte

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i1.11687

Palavras-chave:

Hipertensão, Tratamento, Grande Idoso

Resumo

Introdução: A hipertensão arterial é o fator de risco cardiovascular mais prevalente. Sabe-se que a diminuição da pressão arterial (PA) em hipertensos com <=65 anos reduz a ocorrência de eventos cardiovasculares e morte. Relativamente ao grande idoso (>=80 anos), ainda há poucos estudos que possam assegurar o mesmo consenso. Objetivos: Rever se existe evidência sobre se o tratamento anti-hipertensor conduz a diminuição de eventos cardiovasculares major, bem como a redução da mortalidade no grande idoso. Fontes de dados: National Guideline Clearinghouse, Guideline Finder, Canadian Medical Association, The Cochrane Database, DARE, Bandolier, MEDLINE/PubMed e Índex de Revistas Médicas Portuguesas. Métodos de revisão: Pesquisa em sites de medicina baseada na evidência; entre janeiro de 2004 e agosto de 2014; línguas inglesa, espanhola ou portuguesa; palavras-chave: Hypertension/therapy AND Aged, 80 and over. Resultados: Oito artigos cumpriam os critérios de inclusão. Segundo as normas, o tratamento anti-hipertensor reduz a incidência de acidente vascular cerebral (AVC) e morbilidade cardiovascular e aumenta a mortalidade por outras causas (FR C). Se há boa condição física e psicológica, os valores de PA devem rondar os 140-150mmHg (FR B); caso contrário, o tratamento deve ser individualizado (FR C). As meta-análises corroboram a redução do risco de AVC, eventos cardiovasculares e insuficiência cardíaca (IC) (NE 2). Os ensaios clínicos revelam benefício na redução da PA até 150/80mmHg (NE 1); valores inferiores a este associam-se a maior risco de morte cerebrovascular e IC (NE 2). Conclusão: O benefício global do tratamento no grande idoso é questionável, pois embora esteja associado a uma redução dos eventos cardiovasculares quanto à mortalidade total, bem como à mortalidade específica por causa, os resultados são heterogéneos (FR B). Salienta-se, contudo, o facto de a redução da mortalidade total ser conseguida nos ensaios com menores reduções da PA e terapêuticas menos intensivas (FR B).

Downloads

Publicado

2016-02-01

Como Citar

Bastos, T. M., Azenha, S., & Dias, T. (2016). Hipertensão no grande idoso: tratar ou não tratar?. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 32(1), 30–6. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i1.11687