Concha bolhosa gigante: uma causa curável de obstrução nasal

Autores

  • Ângela Ferreira Médico de Medicina Geral e Familiar, USF BRIOSA, ACES Baixo Mondego
  • João Carlos Ribeiro Médico, Serviço de Otorrinolaringologia, Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra. Médico, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
  • Óscar Barros Médico de Medicina Geral e Familiar, CSP Cruz de Celas, ACES Baixo Mondego
  • Miguel Silva Médico, Serviço de Otorrinolaringologia, Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra
  • Rui Nogueira Médico de Medicina Geral e Familiar, USF BRIOSA, ACES Baixo Mondego
  • António Paiva Médico, Serviço de Otorrinolaringologia, Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra. Médico, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i1.11690

Palavras-chave:

Obstrução Nasal, Cornetos

Resumo

Introdução: A obstrução nasal é um problema comum na população portuguesa. Influencia negativamente a qualidade de vida e repercute-se na dinâmica familiar. Tem várias causas, entre elas, a concha bolhosa. Os objetivos deste artigo são descrever um caso de concha bolhosa gigante e sintetizar a abordagem ao utente com obstrução nasal nos cuidados de saúde primários. Descrição do caso: Mulher de 50 anos que recorre ao serviço de urgência por sensação de ouvido tapado à direita. Apresentava também obstrução nasal crónica bilateral, roncopatia e cefaleias. Ao exame objetivo verificou-se otite seromucosa à direita e corneto médio a estender-se para o vestíbulo nasal e também a existência de secreções abundantes e hipertrofia adenoide na nasofibroscopia. Foi medicada com descongestionante nasal e corticóide sistémico e nasal, tendo sido referenciada para consulta interna de otorrinolaringologia. No âmbito desta consulta foi feita biópsia faríngea, que não revelou alterações, e tomografia computorizada dos seios perinasais que evidenciou a existência de uma concha média bolhosa gigante à direita. Realizou tratamento cirúrgico, com resolução da obstrução nasal e das cefaleias e com melhoria da roncopatia. Comentário: A procura inicial de cuidados de saúde a nível hospitalar ainda existe, como no caso descrito. É importante difundir o papel do médico de família como prestador e gestor de cuidados em diversas áreas. De modo sistemático, perante queixas de obstrução nasal é fundamental a realização da história clínica e do exame objetivo cuidados. Devem ser pesquisados sinais e sintomas de alarme. Quando, pelo menos, um estiver presente ou perante uma resposta terapêutica insatisfatória deve-se referenciar o utente para consulta hospitalar. No caso em concreto, a evidência de otite seromucosa unilateral obriga à exclusão de neoplasia da nasofaringe. As variantes anatómicas constituem causas potencialmente curáveis de obstrução nasal e devem ser consideradas no diagnóstico diferencial da obstrução nasal crónica persistente.

Downloads

Publicado

2016-02-01

Como Citar

Ferreira, Ângela, Ribeiro, J. C., Barros, Óscar, Silva, M., Nogueira, R., & Paiva, A. (2016). Concha bolhosa gigante: uma causa curável de obstrução nasal. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 32(1), 56–60. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i1.11690

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)