Estudo PreSBurn: prevalência de síndroma de burnout nos profissionais dos cuidados de saúde primários

Autores

  • Célia Mata Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. USF Santiago, Leiria
  • Susana Machado Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. UCSP da Marinha Grande
  • Ana Moutinho Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. USF Santiago, Leiria
  • Denise Alexandra Médica Especialista em Medicina Geral e Familiar. USF Santiago, Leiria

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i3.11789

Palavras-chave:

Burnout, Profissional, Cuidados de Saúde Primários

Resumo

Objetivos: Determinar a prevalência de burnout entre médicos, enfermeiros e secretários clínicos do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Pinhal Litoral. Tipo de estudo: Estudo transversal, descritivo com componente analítica, realizado entre 15 de outubro e 15 de dezembro de 2014. Local: ACeS Pinhal Litoral. População: Profissionais dos cuidados de saúde primários (CSP) do ACeS Pinhal Litoral. Métodos: Foi utilizado um questionário contendo dados sóciodemográficos e o Inventário de Burnout de Maslach (MBI-HSS) traduzido e validado para português. Resultados: Dos 434 profissionais de saúde que trabalhavam no ACeS obteve-se uma taxa de resposta de 60,1%. Quanto às dimensões do burnout, 41,0% apresentaram um score alto de exaustão emocional (EE), 28,4% de despersonalização (DP) e 22,6% um score baixo de realização pessoal (RP). Tendo em conta a definição de burnout utilizada, estimou-se uma prevalência nesta amostra de 5,7%, sendo superior nos enfermeiros (9,9%) seguida dos médicos especialistas (7,2%). Encontrou-se associação entre burnout e os seguintes fatores: idade (>45 anos para DP e <=45 anos para RP), tempo de atividade profissional (>20 anos para DP e <=20 anos para RP), intenção de mudar de profissão (para todas as dimensões), intenção de mudar de instituição (para EE e DP), unidade de saúde (análise bivariada – USF para DP; regressão logística – CS/UCSP para DP). Conclusão: Fatores individuais e laborais contribuem para o desenvolvimento de burnout, tornando necessária uma intervenção pessoal e abordagem institucional.

Downloads

Publicado

2016-05-01

Como Citar

Mata, C., Machado, S., Moutinho, A., & Alexandra, D. (2016). Estudo PreSBurn: prevalência de síndroma de burnout nos profissionais dos cuidados de saúde primários. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 32(3), 179–86. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i3.11789