Um caso de fagofobia: quando o medo nos consome

Autores

  • Estela Rita Loureiro Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. ACES Baixo Mondego. UCSP Mealhada, Mealhada, Portugal
  • António Cruz Ferreira Médico Especialista de Medicina Geral e Familiar. UCSP da Mealhada, ACES Baixo Mondego. Doutorando na Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior
  • Joana Carvalho Médica Interna de Medicina Geral e Familiar. ACES Baixo Mondego. USF Buarcos, Figueira da Foz, Portugal
  • Maria João Xará Médica interna de Medicina Geral e Familiar. UCSP Sul - Pinheiro da Bemposta, ACES entre Douro e Vouga II - Aveiro Norte
  • Iva Pimentel Médica Especialista de Medicina Geral e Familiar. ACES Baixo Mondego. UCSP Mealhada, Mealhada, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i3.11793

Palavras-chave:

Fagofobia, Choking phobia, Ansiedade, Fobia Alimentar, Perturbação do Comportamento Alimentar

Resumo

Introdução: A fagofobia ou choking phobia é uma condição psiquiátrica caracterizada pelo medo de sufocar ou engasgar ao engolir alimentos ou comprimidos, associado a um estado de ansiedade que leva à recusa alimentar, com prejuízos potencialmente graves para a saúde. Pouco se sabe sobre a prevalência desta doença, mas o diagnóstico é frequentemente tardio, o que aumenta o risco de complicações. Deve ser excluída patologia orgânica e as perturbações do comportamento alimentar. A terapêutica é multidisciplinar e o papel do médico de família preponderante em todo o processo. Descrição: Apresenta-se o caso clínico de uma pré-adolescente de 10 anos. Recorreu à consulta por disfagia permanente e não progressiva para sólidos com duas semanas de evolução e que, durante o seguimento em consulta, perdeu 22% do peso corporal em dois meses. Não se observaram alterações ao exame físico nem nos exames complementares de diagnóstico requisitados. Foi pedida consulta de pediatria geral e, em consulta, utilizando uma abordagem biopsicossocial, a doente referiu “medo de se engasgar a comer”. Foi, assim, encaminhada para o serviço de pedopsiquiatria do Hospital Pediátrico por suspeita de anorexia nervosa/disfagia de causa orgânica ou funcional. Por manutenção da progressiva perda ponderal foi internada e, posteriormente, transferida para o Hospital Magalhães Lemos por manter alimentação seletiva e restritiva e uma perda ponderal que atingiu os 26%. Foi feito o diagnóstico de fagofobia e medicada com antidepressivo, ansiolítico e antipsicótico; iniciou também terapia cognitivo-comportamental, apresentando melhoria clínica e tendo tido alta ao fim de um mês. Atualmente mantém seguimento na consulta de pedopsiquiatria. Comentário: É imprescindível a familiaridade dos médicos de família com a deteção precoce e abordagem apropriada da fagofobia. O conhecimento dos vários diagnósticos diferenciais, assim como a referenciação e o conhecimento da terapêutica, são de extrema importância. A relação de confiança entre o médico e o adolescente coloca o médico de família na primeira linha de deteção dos sinais de alarme. A articulação com os cuidados de saúde secundários reveste-se de particular interesse, o que permite um acompanhamento mais próximo destas patologias.

Downloads

Publicado

2016-05-01

Como Citar

Loureiro, E. R., Ferreira, A. C., Carvalho, J., Xará, M. J., & Pimentel, I. (2016). Um caso de fagofobia: quando o medo nos consome. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 32(3), 212–6. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v32i3.11793