O local ideal para a prestação de serviços em alargamento de horário nos cuidados de saúde primários: análise dos custos e da perceção da qualidade dos serviços

Autores

  • João Firmino-Machado Unidade de Saúde Pública, ACeS Porto Ocidental
  • John Yaphe Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde (ICVS), Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho (Braga). ICVS-3Bs, Laboratório Associado do Governo de Portugal, Braga, Guimarães, Portugal
  • Maria José Ribas Médica de Família. USF Garcia de Orta
  • Patrício Costa Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde (ICVS), Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho (Braga). ICVS-3Bs, Laboratório Associado do Governo de Portugal, Braga, Guimarães, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v33i2.12038

Palavras-chave:

Satisfação dos doentes, Cuidados de saúde primários, Custos em saúde, Serviço de alargamento de horário.

Resumo

Objetivo: Comparar os custos e as perceções da qualidade dos serviços (PQS) entre os serviços prestados pelas USF e os Serviços de Atendimento de Situações Urgentes (SASU), na região do Porto Ocidental, em alargamento de horário. Tipo de estudo: Transversal observacional e analítico. Local: Unidade de Saúde Familiar (USF) Serpa Pinto, USF Ramalde e Serviço de Atendimento de Situações Urgentes (SASU) do Porto, do Agrupamento de Centros de Saúde do Porto Ocidental. População: Utentes utilizadores do alargamento de horário, nas unidades de saúde USF Serpa Pinto, USF Ramalde e SASU do Porto. Métodos: A quantificação da PQS foi feita utilizando um instrumento construído para o efeito (SERVQUAL/SERVPERF e suas adaptações à área da saúde – HEALTHQUAL). O questionário foi aplicado a um total de 281 utentes de ambas as unidades que recorreram às unidades de saúde em estudo. A obtenção dos custos de funcionamento (fármacos e meios complementares de diagnóstico) das unidades em alargamento de horário foi feita de forma transversal, por consulta dos processos clínicos de 820 utentes. Resultados: Os valores globais de PQS nas USF são superiores aos determinados para os SASU, sendo esta diferença estatisticamente significativa, mesmo quando é controlado o peso das características sociodemográficas. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os custos globais das USF (€ 9,30/utente, DP=14,9) e do SASU (€ 8,20/utente, DP=8,2). Discussão/Conclusão: As USF prestam serviços de saúde com valores de perceção de qualidade de serviços significativamente superiores aos reportados pelos SASU, em regime de alargamento de horário e a custos iguais. Não existe evidência a favor do encerramento dos serviços de alargamento de horário.

Downloads

Publicado

2017-03-01

Como Citar

Firmino-Machado, J., Yaphe, J., Ribas, M. J., & Costa, P. (2017). O local ideal para a prestação de serviços em alargamento de horário nos cuidados de saúde primários: análise dos custos e da perceção da qualidade dos serviços. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 33(2), 92–104. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v33i2.12038

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>