Aporte de iodo e função tiroideia na gravidez

Autores

  • Jaime Luís da Rocha Oliveira Faculdade de Medicina da Universidade do Porto
  • Davide Maurício Costa Carvalho Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar de São João; i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (Universidade do Porto).
  • Sandra Patrícia Mota Belo Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar de São João; i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (Universidade do Porto).

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v34i5.12094

Resumo

Objetivo: Rever a evidência científica sobre o aporte de iodo e a função tiroideia na gravidez.
Fontes de dados: Bases de dados MEDLINE, Scopus, Google Scholar e Scielo, bem como documentos
oficiais da Organização Mundial da Saúde, da American Thyroid Association, do Iodine Global Network e
da Direção-Geral da Saúde.
Métodos de revisão: Revisão de artigos científicos sobre a espécie humana, escritos em língua inglesa ou
portuguesa, e publicados entre 01/01/1990 e 30/09/2016. Estes artigos foram pesquisados através de uma
query constituída pelos termos MeSH “Iodine”, “Thyroid Gland” e “Pregnancy”.
Resultados: Foram analisados exaustivamente 107 artigos e incluíram-se, nesta revisão, dados referentes
a 70 artigos selecionados com base na sua relevância científica. Devido ao aumento das necessidades
durante a gravidez e amamentação, o défice de iodo é mais prevalente nestas etapas da vida. Mesmo que
ligeiro/moderado, o défice materno de iodo pode afetar o neurodesenvolvimento fetal. Neste contexto, as
alterações tiroideias, fisiológicas, durante a gravidez podem tornar-se patológicas, verificando-se
diminuição das hormonas livres, aumento da TSH, e aumento da Tiroglobulina e do volume tiroideu
maternos e fetais. Por outro lado, a suplementação iodada durante a gravidez parece ser segura e vários
estudos sugerem que se associa a um melhor neurodesenvolvimento fetal, à prevenção do aumento da
Tiroglobulina e do volume tiroideu. Parece ainda melhorar a TSH, porém, com efeito nulo nas concentrações
de hormonas tiroideias totais e livres.
Conclusões: O aporte inadequado de iodo é deletério para a função tiroideia materna e
neurodesenvolvimento fetal, podendo a suplementação durante a gravidez prevenir a deterioração funcional
da tiróide. Contudo, existem poucos ensaios clínicos aleatorizados e a evidência disponível nem sempre é
concordante, pelo que é necessária mais investigação sobre este tema.
Palavras-chave: Iodo; Glândula Tiróide; Função Tiroideia; Gravidez.

Biografias Autor

Jaime Luís da Rocha Oliveira, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Aluno do 6º ano do Mestrado Integrado em Medicina, na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Davide Maurício Costa Carvalho, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar de São João; i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (Universidade do Porto).

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto;
Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar de São João;
i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (Universidade do Porto).

Sandra Patrícia Mota Belo, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar de São João; i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (Universidade do Porto).

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto;
Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar de São João;
i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (Universidade do Porto).

Downloads

Publicado

2018-11-06

Como Citar

Oliveira, J. L. da R., Carvalho, D. M. C., & Belo, S. P. M. (2018). Aporte de iodo e função tiroideia na gravidez. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 34(5), 288–306. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v34i5.12094