Quando os vegetais são demais: um caso de carotenodermia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v36i1.12280

Resumo

Introdução: Os carotenos são um pigmento ubíquo na natureza, inicialmente identificado na cenoura (do inglês “carrot”). Do pigmento ingerido, 10% é absorvido inalterado e transportado ao fígado sendo o restante convertido, no próprio intestino, em vitamina A. O excesso é excretado pelo cólon e epiderme. Contudo, quando elevado, o estrato córneo, lipossolúvel, reabsorve e acumula-o conferindo uma coloração amarelada à pele. As crianças, quer pela imaturidade dos sistemas de conversão enzimáticos, quer pela dieta e modo de preparação dos alimentos, estão mais susceptíveis a apresentar níveis elevados de carotenos no sangue (carotenemia) e na pele (carotenodermia).

Descrição do caso: G.A.F., do sexo masculino, é trazido à consulta de vigilância dos 9 meses. Apresenta coloração amarelada nas palmas das mãos e plantas dos pés. Sem outras queixas ou intercorrências de registo. Ao exame objectivo, apresenta escleras e mucosa oral de coloração normal. Mãe refere consumo excessivo de cenoura e batata doce na sopa. É colocada a hipótese de carotenodermia e explicada aos pais a benignidade da situação.

Comentário: Apesar de outras causas, além da dieta, serem extremamente raras em crianças, existe associação entre carotenemia e várias patologias, nomeadamente diabetes mellitus, hipotiroidismo, anorexia nervosa e discinésia biliar que terão de ser investigadas caso não se resolva o quadro com as alterações dietéticas. Os carotenos estão presentes nos alimentos como cristais encapsulados. Triturá-los rompe as membranas celulares e torna-os mais disponíveis para absorção, tornando a alimentação infantil à base de purés mais propensa ao seu desenvolvimento. Independentemente da cor, vários alimentos (por ex. brócolos e feijão verde) possuem níveis elevados de carotenos e devem ser tidos em conta na entrevista clínica.

Não obstante a benignidade do quadro, a sua correta identificação é de extrema importância por forma a evitar a, não tão rara, confusão diagnóstica com icterícia e subsequente estudo desnecessário e dispendioso. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Raquel Xavier Martins Costa, Centro de Saúde da Marinha Grande

Mestre em Medicina pela Faculdade Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior. 

Interna de Medicina Geral e Familiar no Centro de Saúde da Marinha Grande.

Downloads

Publicado

2020-03-03

Como Citar

Costa, R. X. M., & Lopes, H. M. de A. L. (2020). Quando os vegetais são demais: um caso de carotenodermia. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 36(1), 72–76. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v36i1.12280