Benzodiazepinas e risco de demência: qual a evidência?

Autores

  • Sara Gonçalo Domingues USF Pró-Saúde, ACeS Cávado II – Gerês/Cabreira.
  • Vânia Raquel Paula Gomes USF Santo António, ACeS Cávado III – Barcelos/Esposende.

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v34i3.12447

Palavras-chave:

Benzodiazepinas, Demência, Idoso.

Resumo

Objetivo: Determinar se a utilização crónica de benzodiazepinas em indivíduos com idade ≥65 anos está associada a um aumento do risco de demência. Fontes de dados: National Guideline Clearinghouse, NHS Evidence, CMA InfoBase, Cochrane, DARE, MEDLINE/PubMed. Métodos de revisão: Pesquisa de guidelines, revisões sistemáticas, meta-análises e estudos observacionais, nas línguas inglesa e portuguesa, publicados entre janeiro de 2006 e março de 2016, com os termos MeSH ‘benzodiazepines’ e ‘dementia’. Foi aplicada a escala Strength of Recommendation Taxonomy (SORT), da American Family Physician, para avaliação dos níveis de evidência (NE) e da força de recomendação (FR). Resultados: Obtiveram-se 209 artigos e, destes, cinco cumpriram os critérios de inclusão. A meta-análise e a revisão sistemática revelaram uma associação entre a utilização de benzodiazepinas e o aumento do risco de demência (NE 3). Este risco aumenta com a duração do tratamento, com doses cumulativas de benzodiazepinas e com a utilização de benzodiazepinas de longa duração de ação (NE 3). Pelo contrário, os estudos observacionais não evidenciaram esta associação (NE 3). Conclusões: Existe evidência limitada (FR C) para a associação entre o uso de benzodiazepinas e o risco de demência. Assim, são necessários mais estudos de coorte prospetivos, com um longo tempo de seguimento e ajustados para variáveisde confundimento para clarificar a existência de eventual relação causal e diminuir o viés de causalidade reversa. Contudo, a concretização deste tipo de estudos apresenta algumas dificuldades metodológicas. Os resultados aqui apresentados reforçam a preocupação já existente sobre o uso crónico de benzodiazepinas na população idosa, no tratamento da ansiedade e da perturbação do sono e valorizam o papel do médico de família, enquanto prestador de cuidados desaúde longitudinais.

Downloads

Publicado

2018-05-01

Como Citar

Domingues, S. G., & Gomes, V. R. P. (2018). Benzodiazepinas e risco de demência: qual a evidência?. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 34(3), 149–55. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v34i3.12447