Quando o exame neurológico não tranquiliza: um caso de doença de Creutzfeldt-Jakob

Autores

  • Gisela Marcelino Santos USF Nova Via http://orcid.org/0000-0002-3615-2466
  • Maria Ferreira USF Nova Via
  • Marta Pinheiro USF Nova Via
  • Ângela Maganete USF Nova Via

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i4.12642

Palavras-chave:

Doença de Creutzfeldt-Jakob, Doenças priónicas, Demência

Resumo

Introdução: A doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ) é a mais comum das doenças priónicas humanas. A maioria dos casos é esporádica e apresenta-se como demência rapidamente progressiva. Este caso pretende alertar para a importância da suspeição inicial de uma DCJ, apesar da sua raridade, de modo a reconhecer os primeiros sinais e sintomas, muitas vezes inespecíficos, e realizar uma referenciação célere aos cuidados de saúde secundários para diagnóstico e seguimento precoces.

Descrição do caso: Mulher de 53 anos, sem antecedentes de relevo, que recorreu a consulta aberta da sua Unidade de Saúde Familiar por tonturas, desequilíbrio e humor distímico. Dias mais tarde apresentou-se com nistagmo horizontal, ataxia da marcha e dismetria dos membros superiores, pelo que foi orientada para observação por neurologia. O quadro clínico evoluiu em poucas semanas, com dificuldade em executar atividades da vida diária, apatia, discurso pobre, dificuldades na memória e apraxia para vestir. O exame neurológico revelou hiperreflexia esquerda, reflexo cutâneo-plantar esquerdo em extensão, postura distónica de ambos os membros superiores e mioclonias espontâneas de novo, com startle marcado com estímulo sonoro. A ressonância magnética (RM) mostrou sinais sugestivos de DCJ. A eletroencefalografia (EEG) e a proteína 14-3-3 positiva suportaram o diagnóstico. O estado neurológico deteriorou-se rapidamente, com evolução para mutismo acinético, tetraparésia espástica e morte. 

Comentário: A DCJ deve ser considerada perante a combinação de demência rapidamente progressiva e mioclonias estimulossensitivas. Manifestações cerebelosas constituem sintomas de apresentação em 20% a 40% dos casos. A RM, a proteína 14-3-3 e o EEG são úteis para o diagnóstico. O diagnóstico definitivo requer a combinação com os achados neuropatológicos. O tratamento é apenas de suporte e o desfecho fatal, sendo fulcral mostrar disponibilidade e apoio nas questões médicas, psicológicas e sociofamiliares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Gisela Marcelino Santos, USF Nova Via

Interna de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar na USF Nova Via

Maria Ferreira, USF Nova Via

Interna de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar na USF Nova Via

Marta Pinheiro, USF Nova Via

Interna de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar na USF Nova Via

Ângela Maganete, USF Nova Via

Consultora em Medicina Geral e Familiar na USF Nova Via

Referências

Brown HG, Lee JM. Creutzfeldt-Jakob disease. [acesso junho 2019]. Disponível em: http://www.uptodate.com/

Tee BL, Longoria-Ibarrola EM, Geschwind MD. Prion diseases. Neurol Clin. 2018;36(4):865-97.

Gambetti P. Doença de Creutzfeldt-Jakob. In: Manual MSD: versão para profissionais de saúde [homepage]; 2015 [updated 2020 Jul]. Available from: https://www.msdmanuals.com/pt-pt/profissional/dist%C3%BArbios-neurol%C3%B3gicos/doen%C3%A7as-pri%C3%B4nicas/doen%C3%A7a-de-creutzfeldt-jakob-dcj?query=Doen%C3%A7a%20de%20Creutzfeldt-Jakob .

Geschwind MD. Prion diseases. Continuum (Minneap Minn). 2015;21(6 Neuroinfectious disease):1612-38.

Centers for Disease Control and Prevention. CDC’s diagnostic criteria for Creutzfeldt-Jakob disease (CJD) [homepage]. Washington: CDC; 2018 [updated 2021 Oct 18]. Available from: https://www.cdc.gov/prions/cjd/diagnostic-criteria.html

Downloads

Publicado

2022-09-13

Como Citar

Santos, G. M., Ferreira, M., Pinheiro, M., & Maganete, Ângela. (2022). Quando o exame neurológico não tranquiliza: um caso de doença de Creutzfeldt-Jakob. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 38(4), 382–6. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i4.12642