Estado nutricional infantil no concelho de Portalegre

Autores

  • Adriana Gameiro Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano USF Portus Alacer http://orcid.org/0000-0002-1652-3266
  • Victória Garrett Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano USF Plátano

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i4.12891

Palavras-chave:

Excesso de peso, Obesidade pediátrica, Índice de massa corporal

Resumo

Objetivos: Determinar a prevalência de baixo peso, peso normal, excesso de peso e obesidade na população em idade escolar numa Unidade de Saúde Familiar (USF) do concelho de Portalegre e determinar se existe diferença estatisticamente significativa entre o género e o peso e entre a idade e o peso.

Tipo de estudo: Estudo observacional transversal, descritivo e analítico.

Local: USF Portus Alacer, concelho de Portalegre.

População: Utentes da USF Portus Alacer [6-17 anos].

Métodos: Determinação do índice de massa corporal (IMC) de 448 crianças e adolescentes [6-17 anos] vigiadas na USF Portus Alacer, entre janeiro de 2017 e outubro de 2018 [intervalo de confiança (IC) 95%, margem de erro 3,64%]. Os participantes foram classificados em quatro categorias de acordo com os pontos de corte de IMC estabelecidos pela OMS para a idade e género. O software usado no tratamento de dados foi o SPSS® v. 25.0, o Microsoft Office Excel® e o Sample Size Calculator by Raosoft®. As ferramentas estatísticas utilizadas foram o teste de Qui-quadrado e o teste do t-Student. A normalidade foi testada através do teste Kolmogorov-Smirnov.

Resultados: Das crianças avaliadas 52,7% eram do sexo masculino. A mediana etária foi de 12 anos. Verificou-se uma prevalência de peso excessivo de 37,4%. A prevalência do excesso de peso foi de 16,7%, superior no sexo feminino, e a da obesidade foi de 10,7%, ligeiramente superior no sexo masculino. A maior prevalência de peso excessivo verificou-se aos sete anos. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre o género e a categoria de peso, nem entre as idades relativamente ao peso excessivo.

Conclusões: Apesar da diminuição da prevalência da obesidade infantil e excesso de peso verificada em Portugal nos últimos anos, estas entidades representam um grave problema de saúde pública. No concelho de Portalegre, a prevalência do peso excessivo nos menores de 10 anos foi superior aos dados disponíveis na literatura. Dos 10 aos 17 anos a prevalência foi inferior.

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

Gameiro, A., & Garrett, V. (2021). Estado nutricional infantil no concelho de Portalegre. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 37(4), 294–300. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i4.12891