Adesão terapêutica em hipertensos: revisão do papel das novas plataformas através do telemóvel ou smartphone

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i4.12951

Palavras-chave:

Telefone, Hipertensão arterial, Adesão terapêutica, Telessaúde

Resumo

Introdução: A pandemia COVID-19 veio comprometer o acompanhamento periódico dos doentes hipertensos em diversos aspetos. Este cenário fez com que se privilegiassem estratégias de telessaúde, como as plataformas mHealth, que constituem vias alternativas de promoção da autogestão destes doentes. Porém, não existe informação significativa que comprove o seu nível de efetividade. O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão sistemática baseada na evidência sobre o papel de plataformas através do telemóvel ou smartphone na adesão de indivíduos com hipertensão ao plano terapêutico proposto.

Métodos: Os artigos desta revisão foram obtidos através da pesquisa bibliográfica em diferentes plataformas científicas, aplicando-se os termos MeSH mobile, phone, hypertension e adherence. Foram incluídos estudos segundo os critérios definidos pelo modelo PICOS: (P) indivíduos adultos com diagnóstico de hipertensão arterial, a realizar pelo menos um fármaco anti-hipertensor; (I) plano terapêutico reforçado com recurso ao telemóvel, telefone fixo ou smartphone; (C) standard care; (O) alterações na adesão terapêutica; (S) revisões sistemáticas e ensaios clínicos aleatorizados controlados. Foi utilizada a escala Strength of Recommendation Taxonomy, da American Academy of Family Physicians, para avaliação dos níveis de evidência e atribuição de forças de recomendação.

Resultados: Dos 729 artigos iniciais foram apenas incluídos sete estudos para a realização desta revisão: uma revisão sistemática e seis ensaios clínicos aleatorizados controlados. Apesar dos estudos relatarem resultados algo heterogéneos e inconsistentes, na generalidade apresentam resultados estatisticamente significativos no sentido do aumento de adesão terapêutica. No entanto, o risco de viés foi relativamente alto.

Conclusões: A evidência atual é de qualidade moderada, algo inconsistente e de difícil generalização, apesar de favorável à efetividade destas plataformas na adesão terapêutica em doentes hipertensos (força de recomendação B). Existe necessidade de maior uniformização e adaptabilidade nos métodos de avaliação da adesão à terapêutica para aumentar a comparabilidade entre estudos e analisar a evolução e tendências numa determinada população.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

Loureiro, R. M., & de Azevedo, D. A. (2021). Adesão terapêutica em hipertensos: revisão do papel das novas plataformas através do telemóvel ou smartphone. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 37(4), 330–41. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i4.12951