Fitofotodermatite: um diagnóstico a recordar – Relato de caso

Autores

  • Ana Luísa Teixeira Médica Interna de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar, USF O Basto, ACES Alto Ave http://orcid.org/0000-0003-2706-5843
  • Vera Teixeira Médica Assistente de Dermatovenereologia, Hospital de Santa Luzia, ULSAM

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i4.13083

Palavras-chave:

Dermatologia, Dermatite fototóxica, Relatos de casos

Resumo

Introdução: A fitofotodermatite consiste numa reação inflamatória causada pela exposição da pele a agente tópico vegetal fotossensibilizante contendo furocumarinas, seguida de exposição a radiação ultravioleta. O caso clínico apresentado mostra a importância de uma cuidada anamnese aquando da avaliação clínica, já que a mesma é considerada a pedra basilar para o diagnóstico desta patologia.

Descrição do caso: Homem, 59 anos, técnico de análises clínicas, com antecedentes pessoais de hipertensão arterial essencial medicada e controlada com ramipril 2,5mg e fototipo de pele Fitzpatrick II. Recorre à consulta por quadro de eritema linear e vesículas discretas de conteúdo claro na região anterior de ambos os antebraços que notou subitamente de manhã, na semana anterior. Negava prurido, mas referia sensação de calor e ardor nas lesões. Negava ainda conhecimento de fator desencadeante do quadro clínico, alergias conhecidas, aplicação de algum novo produto cosmético ou fármaco ou exposição solar prolongada, reforçando não ter havido alteração de hábitos diários. Após anamnese mais detalhada, o utente referiu que carregou em braços resíduos provenientes da poda do crescimento excessivo do seu terreno de cultivo, o que incluía arruda. O diagnóstico de fitofotodermatite foi assim estabelecido.

Comentário: A família das Rutaceae, onde está incluída a arruda, é a segunda família de plantas que tem mais casos associados de fitofotodermatite. O diagnóstico desta patologia é clínico, sendo a anamnese fundamental para apurar a exposição a plantas que contenham furocumarinas. Neste caso, a apresentação característica de eritema linear e vesículas, com sensação de ardor, sem prurido, aliada a história de exposição a planta produtora de furocumarinas permite estabelecer o diagnóstico. A prevenção é o melhor tratamento, já que a eficácia da aplicação de corticoides tópicos, anti-histamínicos e outras intervenções tem evidência limitada. A hiperpigmentação surge uma a duas semanas após a exposição e pode persistir por mais de um ano.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

Teixeira, A. L., & Teixeira, V. (2021). Fitofotodermatite: um diagnóstico a recordar – Relato de caso. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 37(4), 362–5. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i4.13083