Articulação entre os cuidados de saúde primários e secundários: grau de satisfação dos médicos especialistas e internos de medicina geral e familiar

Autores

  • Joana Sousa USF BRIOSA
  • Mariana Barreto UCSP Soure
  • Lara Cabral USF BRIOSA
  • Francisca Mendes USF BRIOSA
  • Anabela Balazeiro USF Norton de Matos

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i5.13087

Palavras-chave:

Cuidados de saúde primários, Cuidados de saúde secundários

Resumo

Introdução: O médico de família é frequentemente o primeiro contacto com o sistema de saúde, devendo avaliar a necessidade de referenciação para os cuidados de saúde secundários (CSS). O objetivo deste trabalho foi avaliar a satisfação dos médicos de medicina geral e familiar relativamente à articulação com os CSS.

Material e Métodos: Estudo multicêntrico, longitudinal. Participantes: médicos de MGF. Dados recolhidos através do preenchimento de questionário. As variáveis foram avaliadas numa escala de 1 a 5, por ordem crescente de satisfação e incluíram: idade, sexo, categoria profissional, área e local de trabalho, acesso e qualidade dos registos das consultas hospitalares, do serviço de urgência e carta de alta, acesso aos exames complementares dos CSS, tempos de resposta e informação de recusa de referenciações, satisfação global.

Resultados: Foram obtidas 228 respostas. A pontuação média das respostas variou entre 2,2 e 3,6. A satisfação da articulação na sua globalidade obteve uma média de 2,6±0,74, com 50% dos profissionais a responder «razoável», existindo diferença estatisticamente significativa consoante a área de trabalho.

Discussão: Os resultados obtidos revelam que ainda existe um longo caminho a percorrer relativamente à articulação entre os CSP e CSS.

Conclusão: É crucial existir uma articulação eficiente entre os CSP e CSS para garantir que os utentes têm acesso aos cuidados de que necessitam, no lugar e tempo mais adequados. O facto de se ter utilizado um questionário não validado, de a amostra ser de pequena dimensão e não existir uma representação equitativa das diferentes áreas limita a robustez das conclusões.

Referências

Lei n.o 95/2019, de 4 de setembro. Diário da República. 1a Série(169).

WONCA. A definição Europeia de medicina geral e familiar: clinica geral / medicina familiar [Internet]. WONCA; 2002. Available from: https://www.woncaeurope.org/file/b662cccc-6ad6-4d34-a9a2-fd02d29fae5b/European%20Definition%20in%20Portuguese.pdf

La Rocca A, Hoholm T. Coordination between primary and secondary care: the role of electronic messages and economic incentives. BMC Health Serv Res. 2017;17(1):149.

Kvamme OJ, Olesen F, Samuelsson M. Improving the interface between primary and secondary care: a statement from the European Working Party on Quality in Family Practice (EQuiP). BMJ Qual Saf. 2001;10(1):33-9.

Santos MC, Grilo A, Andrade G, Guimarães T, Gomes A. Comunicação em saúde e a segurança do doente: problemas e desafios [Communication in health care and patient safety: problems and challenges]. Rev Port Saúde Pública. 2010;28(10):47-57. Portuguese

Vermeir P, Vandijck D, Degroote S, Peleman R, Verhaeghe R, Mortier E, et al. Communication in healthcare: a narrative review of the literature and practical recommendations. Int J Clin Pract. 2015;69(11):1257-67.

Barreiro S. Referenciação e comunicação entre cuidados primários e secundários [Referral and communication between primary and secondary care]. Rev Port Clin Geral. 2005;21(5):545-53. Portuguese

Lopes H, Carlos JS, Rodrigues M, Mestre R, Santana R, Matias T, et al. Relatório do Grupo de Trabalho criado para a definição de proposta de metodologia de integração dos níveis de cuidados de saúde para Portugal Continental [Internet]. Lisboa: Serviço Nacional de Saúde; 2014. Available from: https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2016/05/Relat%C3%B3rio-do-Grupo-de-Trabalho-criado-para-a-defini%C3%A7%C3%A3o-de-proposta-de-metodologia-de-integra%C3%A7%C3%A3o-dos-n%C3%ADveis-de-cuidados-de-sa%C3%BAde.pdf

Serviço Nacional de Saúde. Benchmarking hospitals: acesso [homepage]. Available from: https://benchmarking-acss.min-saude.pt/BH_AcessoDashboard

Serviço Nacional de Saúde. Contratualização: IDG [homepage]. Available from: https://bicsp.min-saude.pt/pt/contratualizacao/idg/Paginas/default.aspx

Serviços Partilhados do Ministério da Saúde. Sobre os sistemas de informação [homepage]. Available from: https://www.spms.min-saude.pt/sobre-os-sistemas-de-informacao/

Cardoso L, Marins F, Portela F, Santos M, Abelha A, Machado J. The next generation of interoperability agents in healthcare. Int J Environ Res Public Health. 2014;11(5):5349-71.

Samal L, Dykes PC, Greenberg JO, Hasan O, Venkatesh AK, Volk LA, et al. Care coordination gaps due to lack of interoperability in the United States: a qualitative study and literature review. BMC Health Serv Res. 2016;16:143.

Portaria n.o 153/2017, de 4 de maio. Diário da República. 1ª Série(86).

Janeiro M. Acesso aos cuidados secundários numa extensão do Centro de Saúde de Serpa: 10 anos depois [Access to secondary care from Serpa Health Centre]. Rev Port Clin Geral. 2001;17(3):193-207. Portuguese

Ponte CM, Moura BG, Cerejo AC, Braga R, Marques I, Teixeira A, et al. Referenciação aos cuidados de saúde secundários [Referral to secondary care]. Rev Port Clin Geral. 2006;22(5):555-68. Portuguese

Aller MB, Vargas I, Coderch J, Calero S, Cots F, Abizanda M, et al. Doctors’ opinions on clinical coordination between primary and secondary care in the Catalan healthcare system. Gac Sanit. 2019;33(1):66-73.

Downloads

Publicado

2021-11-08

Como Citar

Sousa, J., Barreto, M., Cabral, L., Mendes, F., & Balazeiro, A. (2021). Articulação entre os cuidados de saúde primários e secundários: grau de satisfação dos médicos especialistas e internos de medicina geral e familiar. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 37(5), 408–417. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v37i5.13087

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)