Motivos de consulta em medicina geral e familiar: tendência evolutiva na última década na região Centro de Portugal

Autores

  • Luiz Miguel Santiago Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Clínica Universitária de Medicina Geral e Familiar da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra USF Topázio, ACES Baixo Mondego http://orcid.org/0000-0002-9343-2827
  • Clarisse Calça Coelho Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra http://orcid.org/0000-0001-6434-1937
  • José Augusto Simões USF Caminhos do Cértoma, ACeS Baixo Mondego Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra http://orcid.org/0000-0003-2264-7086

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i4.13148

Palavras-chave:

Motivos de consulta, ICPC-2, Cuidados de saúde primários, Medicina geral e familiar

Resumo

Objetivo: Analisar os motivos de consulta classificados segundo capítulos da International Classification for Primary Care – 2 (ICPC-2) pelos médicos de família na região Centro de Portugal, entre 2010 e 2018.

Métodos: Estudo transversal observacional dos motivos de consulta classificados pelos médicos de família de três Agrupamentos de Centros de Saúde da área da Administração Regional de Saúde do Centro, selecionados aleatoriamente, para os anos de 2010, 2012, 2014, 2016 e 2018. Obtiveram-se dados anonimizados organizados por sexo, ano, número total de consultas, número de consultas com classificação ICPC-2 do motivo de consulta e capítulos ICPC-2 registados, calculando-se as dinâmicas e crescimento.

Resultados: Em 12.569.898 consultas realizadas verificou-se proporção de 5,3% de consultas com motivo de consulta classificado. Os capítulos mais classificados em todos os anos estudados foram, decrescentemente, A (15,4%), L (11,3%), D (10,3%), R (8,4%), S (9,7%) e K (7,9%). Os capítulos menos classificados foram, crescentemente, Z (1,6%), Y (1,7%), B (1,9%), W (2,1%), H (2,9%) e N (3,7%). O capítulo Z teve a maior dinâmica de crescimento de 2010 para 2018 (∆=+1,15).

Discussão: Numa década de problemas socioeconómicos, os motivos de consulta registados pela ICPC-2 mantiveram-se constantes. A atividade de classificação de motivos de procura de consulta, mesmo com problemas de qualidade e volume de realização, pode ajudar na qualidade e resultado da consulta, sendo semelhantes aos já conhecidos na literatura.

Conclusão: Verificou-se classificação ICPC-2 de motivos de consulta pelos médicos de família em 5,3% das consultas, sendo os capítulos invariáveis ao longo do tempo. O capítulo Z registou a maior dinâmica de crescimento no volume de classificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Luiz Miguel Santiago, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Clínica Universitária de Medicina Geral e Familiar da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra USF Topázio, ACES Baixo Mondego

Luiz Miguel de Mendonça Soares Santiago é Licenciado em Medicina pela Universidade de Coimbra desde 1979, Mestre em Saúde Pública pela Universidade de Coimbra desde 2006 e Doutorado por unanimidade com distinção e louvor, pela Universidade de Coimbra, na Especialidade de Sociologia Médica, ramo de Medicina Preventiva e Comunitária desde 11/11/2009.

É desde1/7/2017 Professor Associado da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, regendo as Unidades Curriculares de MISP IV, 3º Ano e de Medicina Geral e Familiar, 5º Ano.

Desde 30 de Janeiro de 2018 tem o título de "Agregado".

Médico, especialista em Medicina Geral e Familiar, é Consultor com o Grau de Assistente Graduado Sénior da Carreira de Medicina Geral e Familiar desde 2002, sendo orientador no Internato Complementar de Medicina Geral e Familiar desde 2006, tendo exercido na Unidade de Saúde Familiar Topázio em Coimbra, onde ainda continua actividade clínica, agora reduzida.

Professor Associado Convidado da Universidade da Beira Interior, onde é regente das cadeiras de CSP I, II e III entre 2011 e 2017.

Desde 2014 até 2017 foi Professor Adjunto Convidado da Coimbra Health Scholl lecionando Patologia Geral.   

Membro da Academia Europeia de Professores em Medicina Geral e Familiar (EURACT) é orientador de Teses de Mestrado Integrado e de Mestrado Pré-Bolonha bem como de Doutoramento, na Universidade de Coimbra (2) e na Universidade da Beira Interior (6).

É membro da Comissão de Ética da ARS do Centro.

Tem vasta bibliografia publicada individualmente e em co-autoria em revistas nacionais e internacionais com “revisores-par” e indexadas (27 artigos).

Desde março de 2017 é membro investigador do CEISUC, FEUC.

Em Novembro de 2017 é eleito sócio correspondente da Academia Nacional de Medicina.

Aguarda a marcação de Provas de Agregação a serem prestadas na Universidade da Beira Interior.

Clarisse Calça Coelho, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

MD pela Universidade de Coimbra

José Augusto Simões, USF Caminhos do Cértoma, ACeS Baixo Mondego Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

MD. PhD

 

Referências

World Health Organization, United Nations Children’s Fund‎. A vision for primary health care in the 21st century: towards universal health coverage and the Sustainable Development Goals [homepage]. Geneva: World Health Organization; 2018. Available from: https://apps.who.int/iris/handle/10665/328065

Allen J, Gay B, Crebolder H, Heyrman J, Svab I, Ram P, et al. A definição europeia de medicina geral e familiar (clínica geral/medicina familiar) [The European definition of family medicine (general practice/family medicine)]. Rev Port Clin Geral. 2005;21(5):511-6. Portuguese

Santos I, Ramos V, Envia G, Bettencourt AL, Ornelas M, Spencer E, et al. Perfil de competências do especialista em medicina geral e familiar [homepage]. Lisboa: Ordem dos Médicos; 2019. Available from: https://ordemdosmedicos.pt/perfil-de-competencias-do-especialista-em-medicina-geral-e-familiar/

olde Hartman TC, van Ravesteijn H, Lucassen P, van Boven K, van Weel-Baumgarten E, van Weel C. Why the ‘reason for encounter’ should be incorporated in the analysis of outcome of care. Br J Gen Pract. 2011;61(593):e839-41.

Bentzen N, Bridges-Webb C. An international glossary for general/family practice. Fam Pract. 1995;12(3):267.

Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Patient-centered medicine: transforming the clinical method. 3rd ed. CRC Press; 2017. ISBN 9781138447271

Granja M. Os registos dos médicos de família estão em perigo [Family practice records are in danger]. Rev Port Med Geral Fam. 2018;34(1):33-9. Portuguese

Granja M, Outeirinho C. Registo médico orientado por problemas em medicina geral e familiar: atualização necessária [Problem-oriented medical record in family practice: a necessary update]. Rev Port Med Geral Fam. 2018;34(1):40-4. Portuguese

Weed LL. Medical records that guide and teach. N Engl J Med. 1968;278(11):593-600.

Pinto D. Classificar motivos de consulta e procedimentos com a ICPC na prática clínica? [Classifying reasons for encounter and procedures with ICPC in clinical practice?]. Rev Port Clin Geral. 2012;28(4):247-8. Portuguese

Granja M. Impressos para motivos de consulta e acções de formação médica sobre identificação de motivos de consulta: serão eficazes? [Teaching about the reasons for consultation: is it effective?]. Rev Port Clin Geral. 2006;22(5):653-4. Portuguese

Rodrigues JG. Porque consultam os utentes o seu médico de família? [Why do patients consult their family doctor?]. Rev Port Clin Geral. 2000;16(6):442-52. Portuguese

Barreiro D, Santiago LM. Motivos de consulta em medicina geral e familiar no distrito de Coimbra no ano de 2010 [Reasons for clinical encounter in general practice/family medicine in 2010 in Central Portugal]. Rev Port Med Geral Fam. 2013;29(4):236-43. Portuguese

Magalhães AR, Penetra J, Pereira C, Carvalho R, Neto MG, Santiago LM. Caracterização do perfil dos grandes utilizadores de uma Unidade de Saúde Familiar [Profile of the frequent attenders at a Family Health Unit]. Rev ADSO. 2016;4(6):15-21. Portuguese

Santiago LM, Reis AF, Botas PC, Pereira CD. Medicina centrada no paciente e capacitação do consulente medicina geral e familiar [Patient-centered medicine and enablement in the general practice/family medicine setting]. Rev ADSO. 2015;3(5):19-32. Portuguese

WONCA. Classificação Internacional dos Cuidados de Saúde Primários, 2ª edição, ICPC-2E V4.4 PT [Internet]. Lisboa: Administração Central do Sistema de Saúde; 2016. Available from: http://www.acss.min-saude.pt/wp-content/uploads/2016/07/1_ICPC_2_4_4_VF.pdf

Pinto D, Corte-Real S. Codificação com a Classificação Internacional de Cuidados Primários (ICPC) por internos de medicina geral e familiar [International Classification for Primary Care (ICPC) coding by family medicine trainees]. Rev Port Clin Geral. 2010;26(4):370-82. Portuguese

Soler JK, Okkes I, Oskam S, van Boven K, Zivotic P, Jevtic M, et al. An international comparative family medicine study of the Transition Project data from the Netherlands, Malta and Serbia: is family medicine an international discipline? Comparing incidence and prevalence rates of reasons for encounter and diagnostic titles of episodes of care across populations. Fam Pract. 2012;29(3):283-98.

Chueiri PS, Gonçalves MR, Hauser L, Wollmann L, Mengue SS, Roman R, et al. Reasons for encounter in primary health care in Brazil. Fam Pract. 2020;37(5):648-54.

Moth G, Olesen F, Vedsted P. Reasons for encounter and disease patterns in Danish primary care: changes over 16 years. Scand J Prim Health Care. 2012;30(2):70-5.

Aboulghate A, Abel G, Lyratzopoulos G, Abdelmohsen A, Hamed AR, Roland M. Patterns of disease presentation and management in Egyptian primary care: findings from a survey of 2458 primary care patient consultations. BMC Fam Pract. 2013;14:161.

Rahman SM, Angeline RP, Cynthia S, David K, Christopher P, Sankarapandian V, et al. International Classification of Primary Care: an Indian experience. J Fam Med Prim Care. 2014;3(4):362-7.

Tandjung R, Hanhart A, Bärtschi F, Keller R, Steinhauer A, Rosemann T, et al. Referral rates in Swiss primary care with a special emphasis on reasons for encounter. Swiss Med Wkly. 2015;145:w14244.

Santiago LM. Contributo para a melhoria dos registos em consulta. Rev Ordem Médicos. 2015;31(161):60-2.

Pinto D. O que classificar nos registos clínicos com a Classificação Internacional de Cuidados Primários? [What should we code in health records with the International Classification of Primary Care?]. Rev Port Clin Geral. 2014;30(5):328-34. Portuguese

Coelho IL, Sousa-Uva M, Pina N, Marques S, Matias-Dias C, Rodrigues AP. Crise económica em Portugal: evolução da incidência de depressão e correlação com o desemprego {Economic crisis in Portugal: trajectory of the incidence of depression and correlation with unemployment]. Acta Med Port. 2021;34(4):278-82. Portuguese

Teixeira V, Macedo AM, Borges C, Carrapa S, China S, Cunha R. O impacto do nível socioeconómico na acessibilidade aos cuidados de saúde primários: estudo em quatro unidades de saúde do Norte de Portugal [Socioeconomic status and access to primary health care: a cross-sectional study in four health units in Northern Portugal]. Rev Port Med Geral Fam. 2016;32(6):376-86. Portuguese

Portaria no 64-C/2016, de 31 de março. Diário da República. Série I;(63 Suppl 3).

Nunes JM, Yaphe J, Santos I. Sintomas somatoformes em medicina de família: um estudo descritivo da incidência e evolução em uma unidade de saúde familiar de Portugal [Somatoform symptoms in family medicine: a descriptive study of incidence and outcome in a family health center in Portugal]. Rev Bras Med Fam Com. 2013;8(28):164-71. Portuguese

Pordata. Taxa de desemprego: total e por sexo (%) [homepage]. Pordata; 2021 [updated 2022 Jul 4]. Available from: https://www.pordata.pt/Portugal/Taxa+de+desemprego+total+e+por+sexo+(percentagem)-550

Portaria nº 45/2015, de 20 de fevereiro. Diário da República. Série I;(36).

Portella E, Juncosa S, Carrillo E, Bolibar B. Motivos de consulta y problemas activos: una clave para la comprensión de la información en atención primaria [A reason for encounter and problems: a key for the comprehension of information in primary care]. Gac Sanit. 1992;6(32):216-9. Spanish

Melo M. O uso da ICPC nos registos clínicos em medicina geral e familiar [The use of ICPC in clinical records in general practice]. Rev Port Med Geral Fam. 2012;28(4):245-6. Portuguese

Downloads

Publicado

2022-09-13

Como Citar

Santiago, L. M., Coelho, C. C., & Simões, J. A. (2022). Motivos de consulta em medicina geral e familiar: tendência evolutiva na última década na região Centro de Portugal. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 38(4), 347–55. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i4.13148

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>