Abcesso das glândulas de Skene: relato de caso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i2.13191

Palavras-chave:

Períneo, Abcesso, Vulva

Resumo

Introdução: Os abcessos das glândulas de Skene são raros e subdiagnosticados. O seu diagnóstico baseia-se na anamnese e no exame objetivo.

Descrição do caso: O presente caso clínico relata o seguimento de uma mulher de 26 anos que recorreu ao centro de saúde por surgimento de uma massa perineal de novo, sensação de esforço para iniciar a micção e repleção vesical. À observação apresentava uma massa procidente periuretral com 2cm de diâmetro, localizada na parede vaginal anterior, com envolvimento do meato urinário, aflorando aos grandes lábios. Foi colocada a hipótese de prolapso uro‑vaginal e pedido estudo ecográfico. Aproximadamente um mês mais tarde, a utente regressa à consulta por dor perineal intensa desencadeada pela introdução da sonda ecográfica endovaginal. Ao exame físico apresentava a mesma massa periuretral – agora com sinais inflamatórios locais francos e saída de exsudado purulento abundante pela uretra. O exame ecográfico efetuado não descrevia quaisquer alterações relevantes. Assumiu-se, como hipótese mais provável, a formação de um abcesso das glândulas de Skene. A utente foi então medicada com azitromicina e cefuroxima, com resolução do quadro.

Comentário: Os abcessos das glândulas de Skene apresentam-se como massas periuretrais, associadas a exsudado purulento, dor uretral e/ou alterações urinárias. A evolução temporal do quadro clínico pode ser crucial para o estabelecimento do diagnóstico. Uma vez estabelecido o diagnóstico preconiza-se a antibioticoterapia empírica, tendo em conta os agentes mais frequentemente implicados (Escherichia coli, Neisseria gonorrhoeae e agentes da flora vaginal). Deste modo, perante uma massa periuretral dolorosa em utentes do sexo feminino, a lista de diagnósticos diferenciais deverá incluir a hipótese de abcesso das glândulas de Skene, de forma a não perder a oportunidade de tratamento precoce.

Biografia Autor

Maria Beatriz Morgado, USF Cova da Piedade, ACES Almada Seixal, ARS LVT

- Interna de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar, na USF Cova da Piedade, ACES Almada- Seixal, ARS LVT.

- Especialização Avançada em Terapia de Casal, Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências.

- Especialização Avançada em Sexologia Clínica, Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências.

Referências

Dagur G, Warren K, Imhof R, Gonka J, Suh Y, Khan SA. Clinical implications of the forgotten Skene’s glands: a review of current literature. Pol Ann Med. 2016;23(2):182-90.

Shah SR, Biggs GY, Rosenblum N, Nitti VW. Surgical management of Skene's gland abscess/infection: a contemporary series. Int Urogynecol J. 2012;23(2):159-64.

Miranda EP, Almeida DC, Ribeiro GP, Parente JM, Scafuri AG. Surgical treatment for recurrent refractory skenitis. Scientific World J. 2008;8:658-60.

Desmarais CM. Skene’s gland abscess: detection with transperineal sonography. J Diagn Med Sonogr. 2015;31(6):390-3.

Gittes RF, Nakamura RM. Female urethral syndrome: a female prostatitis? West J Med. 1996;164(5):435-8.

Dwyer PL. Skene's gland revisited: function, dysfunction and the G spot. Int Urogynecol J. 2012;23(2):135-7.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

Morgado, M. B. (2022). Abcesso das glândulas de Skene: relato de caso. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 38(2), 203–7. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i2.13191