O estranho desaparecimento do dispositivo intrauterino de cobre: relato de caso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i4.13317

Palavras-chave:

Dispositivo intrauterino de cobre, Efeitos adversos, Relato de caso

Resumo

Introdução: Este caso descreve um dos efeitos adversos possíveis da contraceção intrauterina, nomeadamente do dispositivo intrauterino de cobre (Cu-DIU), e explora o procedimento a realizar no âmbito dos cuidados de saúde primários (CSP).

Descrição do caso: Em outubro de 2019, a utente optou por Cu-DIU e realizou uma ecografia pré-procedimento (sem alterações). Em fevereiro de 2020 foi colocado um Cu-DIU nos CSP, o que ocorreu sem intercorrências; pediu-se ecografia de controlo. Devido ao contexto pandémico, a utente não a realizou e manteve método de barreira. Em março de 2021, a ecografia realizada não identificou o Cu-DIU. A utente negou perceção de expulsão do dispositivo ou outros sintomas. Na observação não foram detetados os fios do Cu-DIU, pelo que se solicitou radiografia abdominal. Realizada em abril de 2021, esta mostrava o dispositivo “na zona média da escavação pélvica, em posição oblíqua de perfil”. Uma nova ecografia ginecológica identificou o DIU na “escavação pélvica, em topografia extrauterina, lateralizado à esquerda do útero”. A utente foi encaminhada para consulta hospitalar urgente e notificou-se a ocorrência à Unidade de Vigilância de Produtos de Saúde (UVPS), da Direção de Produtos de Saúde (DPS) do INFARMED. Em consulta de ginecologia, em junho de 2021, a utente ficou inscrita para laparoscopia para remoção de Cu-DIU e salpingectomia bilateral para contraceção definitiva.

Comentário: Este caso alerta para a importância da avaliação ecográfica, após colocação de dispositivos intrauterinos, para confirmação da sua localização e garantia, por um lado, da eficácia do método e, por outro, da rápida deteção de complicações. Pretendeu-se ainda fazer uma breve revisão do procedimento a adotar em casos semelhantes: realização de exame físico e exames complementares de diagnóstico, participação às autoridades competentes e referenciação precoce à ginecologia para a rápida resolução da situação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Ana Rita Moreira Coutinho Gonçalves, USF do Minho, ACES Cávado I

Interna de Medicina Geral e Familiar

Ana Catarina Dias Oliveira, USF do Minho, ACES Cávado I

Interna de Medicina Geral e Familiar

Inês Gonçalo Domingues, USF do Minho, ACES Cávado I

Interna de Medicina Geral e Familiar

Carina Ferreira, USF do Minho, ACES Cávado I

Interna de Medicina Geral e Familiar

José Rui Seabra Caetano, USF do Minho, ACES Cávado I

Assistente Graduado de Medicina Geral e Familiar

António Pedro Fonte, USF do Minho, ACES Cávado I Life and Health Sciences Research Institute (ICVS), School of Medicine, University of Minho ICVS/3B’s PT; Government Associate Laboratory, Braga/Guimarães, Portugal

Assistente de Medicina Geral e Familiar

Helena Machado, USF do Minho, ACES Cávado I

Assistente de Medicina Geral e Familiar

Referências

Searle ES. The intrauterine device and the intrauterine system. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. 2014;28(6):807-24.

Çintesun FN, Çintesun E, Esenkaya Ü, Gϋnenc O. Uterine dimensions and intrauterine malposition: can ultrasound predict displacement or expulsion before it happens? Arch Gynecol Obstet. 2020;302(5):1181-7.

Jatlaoui TC, Riley HE, Curtis KM. The safety of intrauterine devices among young women: a systematic review. Contraception. 2017;95(1):17-39.

Argaw MD, Abawollo HS, Desta BK, Tsegaye ZT, Belete DM, Abebe MG. Removal of a missing intrauterine contraceptive device after location through an ultrasound: a case report within a rural setting and review of literature. Contracept Reprod Med. 2020;5(1):23.

Kho KA, Chamsy DJ. Perforated intraperitoneal intrauterine contraceptive devices: diagnosis, management, and clinical outcomes. J Minim Invasive Gynecol. 2014;21(4):596-601.

Cheung ML, Rezai S, Jackman JM, Patel ND, Bernaba BZ, Hakimian O, et al. Retained intrauterine device (IUD): triple case report and review of the literature. Case Rep Obstet Gynecol. 2018;2018:9362962.

Berry-Bibee EN, Tepper NK, Jatlaoui TC, Whiteman MK, Jamieson DJ, Curtis KM. The safety of intrauterine devices in breastfeeding women: a systematic review. Contraception. 2016;94(6):725-38.

Thapa S, Dangal G, Karki A, Pradhan HK, Shrestha R, Bhattachan K, et al. Missing intrauterine device copper-T: case series. J Nepal Health Res Counc. 2018;16(3):354-6.

Mona Lisa®. Cu 375/375 short-loop dispositivo intrauterino. Bruxelas: Mona Lisa; 2015.

Heinemann K, Reed S, Moehner S, Minh TD. Comparative contraceptive effectiveness of levonorgestrel-releasing and copper intrauterine devices: the European Active Surveillance Study for Intrauterine Devices. Contraception. 2015;91(4):280-3.

Heinemann K, Reed S, Moehner S, Minh TD. Risk of uterine perforation with levonorgestrel-releasing and copper intrauterine devices in the European Active Surveillance Study on Intrauterine Devices. Contraception. 2015;91(4):274-9.

Kaislasuo J, Suhonen S, Gissler M, Lähteenmäki P, Heikinheimo O. Intrauterine contraception: incidence and factors associated with uterine perforation: a population-based study. Hum Reprod. 2012;27(9):2658-63.

Barnett C, Moehner S, Minh TD, Heinemann K. Perforation risk and intra-uterine devices: results of the EURAS-IUD 5-year extension study. Eur J Contracept Reprod Health Care. 2017;22(6):424-8.

Sowmya K, Shruthi D, Manoli N. A case report of successful retrieval of missing copper T by laparoscopic approach. J Med Sci Health. 2016;2(1):37-9.

Ibitoye BO, Aremu AA, Onuwaje MA, Ayoola OO. What is the fate of the missing intrauterine contraceptive device? Trop Doct. 2009;39(4):221-3.

Elahi N, Koukab H. Diagnosis and management of lost intrauterine contraceptive device. J Pak Med Assoc. 2002;52(1):18-20.

Downloads

Publicado

2022-09-13

Como Citar

Gonçalves, A. R. M. C., Oliveira, A. C. D., Domingues, I. G., Ferreira, C., Caetano, J. R. S., Fonte, A. P., & Machado, H. (2022). O estranho desaparecimento do dispositivo intrauterino de cobre: relato de caso. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 38(4), 392–5. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i4.13317