Quando um aneurisma se faz passar por cisto sebáceo: a propósito de um caso clínico

Autores

  • Joana Pinto USF São Martinho, ACeS Tâmega II – Vale do Sousa Sul
  • Maricruz Magalhães ACeS Tâmega II- Vale do Sousa Sul, USF Terras de Souza https://orcid.org/0000-0002-2157-8413
  • Ariana Silva

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i3.13356

Palavras-chave:

Artérias temporais, Aneurisma, Casos clínicos

Resumo

Introdução: Os aneurismas da artéria temporal superficial (ATS) não traumáticos são extremamente raros, constituindo cerca de 8% de todos os aneurismas da ATS. Apresentam-se habitualmente como uma massa pulsátil na região temporal ou parietal, frequentemente não dolorosa. Em termos etiológicos, a hipertensão e a arteriosclerose parecem ser as principais causas dos aneurismas não-traumáticos da ATS. Como diagnósticos diferenciais encontram-se o hematoma subcutâneo, doenças inflamatórias como a arterite de células gigantes, cisto sebáceo, entre outros. O tratamento dos aneurismas da ATS é cirúrgico. Considerando que se trata de uma entidade rara, com uma diversidade de diagnósticos diferenciais e sendo importante um diagnóstico atempado, este relato de caso é relevante para a prática clínica e tem como objetivo sensibilizar os colegas para esta patologia.

Descrição do caso:  Mulher de 67 anos, que recorreu a consulta aberta devido a uma tumefação na região temporal direita com um mês de evolução, dolorosa e acompanhada por cefaleia temporal direita, com agravamento progressivo e sem resposta franca ao tratamento analgésico. Ao exame objetivo apresentava tumefação temporal direita, com cerca de 1,5cm, não pulsátil, dura, dolorosa à palpação, sem outros sinais inflamatórios. Sem alterações ao exame neurológico sumário. Realizou ecografia com estudo doppler que revelou aneurisma da ATS trombosado. A utente foi submetida a exérese cirúrgica do aneurisma sete dias após a observação inicial, sem intercorrências.

Comentário: O aneurisma da ATS não traumático é uma entidade extremamente rara. Na situação particular desta utente, a atipia da dor à palpação da tumefação, associada ao quadro de cefaleia localizada, levantaram no médico de família a suspeita de não se tratar de apenas mais um cisto sebáceo. Por este motivo, e apesar de raro, o aneurisma da ATS deverá ser sempre considerado em qualquer tumefação que surja de novo na região temporal.

Referências

Coscarón Blanco E, Benito JJ, Benito F, Gómez JL, del Cañizo Alvarez A, Antúnez P. Aneurisma no pulsátil de la arteria temporal superficial: a propósito de un caso [Non-pulsatile aneurysm of the superficial temporal artery: a report of a case]. Acta Otorrinolaringol Esp. 2003;54(5):388-91. Spanish

Kawai H, Hamasaki T, Imamura J, Tomonori N, Odashiro T, Yamahata H, et al. Three cases of spontaneous superficial temporal artery aneurysm with literature review. Neurol Med Chir (Tokyo). 2014;54(10):854-60.

Riaz AA, Ismail M, Sheikh N, Ahmed N, Atkin G, Richman P, et al. Spontaneously arising superficial temporal artery aneurysms: a report of two cases and review of the literature. Ann R Coll Surg Engl. 2004;86(6):W38-40.

Bozkurt G, Ayhan S, Cakici N, Celik O, Ziyal IM. Spontaneous non-pulsatile aneurysm of the superficial temporal artery mimicking a subcutaneous mass lesion. J Craniofac Surg. 2011;22(1):371-2.

Matsuda F, Sugie A, Kajiwara H, Yamamura K, Komada O, Ogawa R, et al. Traumatic pseudoaneurysm of the superficial temporal artery: a case report. Jpn J Neurosurg. 2001;10(5):339-42.

Downloads

Publicado

2022-07-07

Como Citar

Pinto, J. ., Magalhães, M. ., & Silva, A. (2022). Quando um aneurisma se faz passar por cisto sebáceo: a propósito de um caso clínico. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 38(3), 311–4. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i3.13356