Quando mais uma série de supino no ginásio acaba o dia como síndroma de Horner

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i6.13391

Palavras-chave:

Síndroma de Horner, Disseção da artéria carótida, Ginásio, Exame neurológico

Resumo

Introdução: O síndroma de Horner representa um importante desafio na prática clínica, uma vez que pode estar associada a uma grande variedade de etiologias. Trata-se de um síndroma rara, que se manifesta classicamente por anisocoria com miose, ptose palpebral e anidrose homolateral devido à perda de inervação simpática. Este caso pretende relatar um síndroma de Horner desencadeado após a prática de exercício físico e demonstrar a importância de uma história clínica e de um exame físico detalhados, assim como uma abordagem multidisciplinar na avaliação de um doente com síndroma de Horner em contexto de serviço de urgência.

Descrição do caso: Homem, 51 anos, recorreu ao serviço de urgência por ptose palpebral e dor na hemiface após exercício físico no ginásio. Ao exame físico destacava-se pupilas anisocóricas, com miose à esquerda e ptose palpebral homolateral, sem outros achados. Solicitou-se estudo analítico com hemograma e bioquímica, que não revelou alterações, e angio-tomografia cerebral e dos troncos supra-aórticos que, após uma revisão das imagens que inicialmente pareciam sem alterações, revelou disseção da artéria carótida interna esquerda. O doente foi internado e iniciou terapêutica médica com resolução dos sintomas às 24 horas após a entrada no serviço de urgência, tendo permanecido em vigilância durante 48 horas.

Comentário: Com este caso clínico pretende-se demonstrar que, mesmo perante um diagnóstico de um síndroma potencialmente fatal como é o síndroma de Horner, é possível uma boa evolução clínica com resolução célere das queixas apresentadas. Sendo que para este desiderato foi determinante uma conjugação de fatores, desde a história clínica completa ao exame objetivo minucioso, bem como exames auxiliares de diagnóstico usados de forma criteriosa, num processo integrado entre médicos de diferentes especialidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Martin TJ. Horner syndrome: a clinical review. ACS Chem Neurosci. 2018;9(2):177-86.

Davagnanam I, Fraser CL, Miszkiel K, Daniel CS, Plant GT. Adult Horner’s syndrome: a combined clinical, pharmacological, and imaging algorithm. Eye (Lond). 2013;27(3):291-8.

Khan Z, Bollu PC. Horner syndrome. Treasure Island: StatPearls Publishing; 2022 Jan.

Sabbagh MA, De Lott LB, Trobe JD. Causes of Horner syndrome: a study of 318 patients. J Neuroophthalmol. 2020;40(3):362-9.

Walton KA, Buono LM. Horner syndrome. Curr Opin Ophthalmol. 2003;14(6):357-63.

Baumgartner R, Bogousslavsky J. Clinical manifestations of carotid dissection. Front Neurol Neurosci. 2005;20:70-6.

Gabriel SA, Beteli CB, Menezes EA, Gonçalves AC, Gonçalves GL, Marcinkevicius JA, et al. Bilateral traumatic internal carotid artery dissection after crossfit training. Ann Vasc Surg. 2019;61:466.e1-e5.

Willett GM, Wachholtz NA. A patient with internal carotid artery dissection. Phys Ther. 2011;91(8):1266-74.

Schlemn L, Nolte CH, Engelter ST, Endres M, Ebinger M. Cervical artery dissection after sports: an analytical evaluation of 190 published cases. Eur Stroke J. 2017;2(4):335-45.

Tegos TJ, Kalodiki E, Daskalopoulou SS, Nicolaides AN. Stroke: epidemiology, clinical picture, and risk factors – Part I of III. Angiology. 2000;51(10):793-808.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

Duarte, R., Fiel do Carmo Glórias Ferreira, M., & Magalhães Pinho, D. A. (2022). Quando mais uma série de supino no ginásio acaba o dia como síndroma de Horner. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 38(6), 617–20. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i6.13391