Lesões cutâneas furunculoides com um diagnóstico inesperado: relato de caso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i3.13441

Palavras-chave:

Miíase, Miíase furuncular, Relato de caso

Resumo

Introdução: Miíase é a infeção causada por larva de mosca, ocorrendo nas regiões (sub)tropicais. Nos países não-endémicos torna-se relevante, dado que os viajantes que regressam podem importar infeções, expandindo a transmissão destes agentes. A miíase furuncular mimetiza dermatoses comuns, podendo originar tratamentos inadequados. Pretende-se caracterizar as lesões, auxiliar no diagnóstico e tratamento, enfatizando a importância de anamnese adequada.

Descrição do caso: Homem, 40 anos, sem antecedentes pessoais relevantes, medicação, alergias e com programa nacional de vacinação atualizado. Recorre ao centro de saúde por três lesões cutâneas, eritematosas, moderadamente dolorosas, desde há oito dias. Nega outros sintomas, picadas ou lesões semelhantes nos conviventes. Refere viagem recente a São Tomé e Príncipe. São observadas três lesões semelhantes a furúnculos com orifício central. Prescreveu-se antibiótico oral, aguardando-se recomendações por medicina do viajante e tropical. Horas depois contacta-se o utente, aconselhando-se a evicção da expressão das lesões e a oclusão dos orifícios centrais com vaselina, forçando a exteriorização da larva. No dia seguinte emergiram e foram removidas as larvas de cada lesão. Um mês depois, as lesões cicatrizaram deixando apenas hiperpigmentação cutânea.

Comentário: A miíase furuncular manifesta-se como lesão semelhante a furúnculo com orifício central, sendo a larva evidenciada através da visualização da extremidade posterior. Sensação de movimento, prurido e dor de aparecimento noturno são sintomas frequentemente reportados. A completa remoção das larvas e a prevenção e controlo de infeção secundária são os objetivos do tratamento. Considerar a miíase entre os diagnósticos diferenciais de lesões furunculoides reduz o uso injustificado de antibióticos e as resistências. Por outro lado, o contexto dos cuidados primários favorece uma oportunidade ótima à prestação de cuidados preventivos e educação para a saúde relativa ao viajante. Atender às exposições de risco e uma anamnese cuidada previne o estabelecimento da mosca responsável pela miíase em regiões não endémicas.

Referências

Instituto de Higiene e Medicina Tropical. Consulta de medicina do viajante (pré-viagem) [homepage]. Lisboa: IHMT-UNL; 2021 [cited 2022 Jan 05]. Available from: https://www.ihmt.unl.pt/consulta-do-viajante/consulta-de-medicina-viajante/

Instituto de Higiene e Medicina Tropical. Consulta de medicina tropical (pós-viagem) [homepage]. Lisboa: IHMT-UNL; 2021 [cited 2022 Jan 05]. Available from: https://www.ihmt.unl.pt/consulta-do-viajante/consulta-medicina-tropical/

Francesconi F, Lupi O. Myiasis. Clin Microbiol Rev. 2012;25(1):79-105.

Division of Parasitic Diseases and Malaria. Parasites – myiasis [homepage]. Centers for Disease Control and Prevention; 2020 [updated 2020 Sep 23]. Available from: https://www.cdc.gov/parasites/myiasis/

Robbins K, Khachemoune A. Cutaneous myiasis: a review of the common types of myiasis. Int J Dermatol. 2010;49(10):1092-8.

Zumpt F. Myiasis in man and animals in the old world: a textbook for physicians, veterinarians and zoologists. London: Butterworths; 1965.

Kuria SK, Oyedeji AO. Human myiasis cases originating and reported in Africa for the last two decades (1998-2018): a review. Acta Trop. 2020;210:105590.

Friedman TL. The world is flat: a brief history of the twenty-first century. 3rd ed. Picador; 2007. ISBN 9780312425074

Downloads

Publicado

2022-07-07

Como Citar

Silva, J. M. R., Varandas, P., Santos, F., Cardoso, C., & Leite, S. (2022). Lesões cutâneas furunculoides com um diagnóstico inesperado: relato de caso. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 38(3), 305–10. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v38i3.13441