A percepção dos médicos de família sobre a distribuição da despesa em medicamentos, meios complementares de diagnóstico e de terapêutica na sua consulta itself.

Autores

  • Cipriano Justo Doutorado em Saúde Comunitária. Chefe de Serviço de Saúde Pública, em exercício no Centro de Saúde de Cascais. Docente convidado do INDEG/ISCTE. Investigador do Observatório Português dos Sistemas de Saúde
  • Maria Helena Miranda Chefe de Serviço de Clínica Geral e Medicina Familiar. Directora do Centro de Saúde de Cascais

DOI:

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v18i6.9894

Palavras-chave:

Orçamento-Programa, Técnica Delphi, Medicamentos, Meios Complementares de Diagnóstico, Meios Complementares de Terapêutica

Resumo

Os autores desenvolveram um processo Delphi em duas voltas para recolher a percepção dos médicos de família do Centro de Saúde de Cascais sobre os valores que eles atribuem à despesa com medicamentos, meios complementares de diagnóstico e meios complementares de terapêutica nos atendimentos de planeamento familiar, saúde materna, saúde infantil, saúde de adultos, atendimento complementar e atendimento domiciliário. Assumiu-se que a média dos valores percentuais obtidos na segunda volta do painel, constitui o consenso do grupo e serão aplicados na elaboração do orçamento-programa do Centro de Saúde de Cascais.

Downloads

Publicado

2002-11-01

Como Citar

Justo, C., & Miranda, M. H. (2002). A percepção dos médicos de família sobre a distribuição da despesa em medicamentos, meios complementares de diagnóstico e de terapêutica na sua consulta itself. Revista Portuguesa De Medicina Geral E Familiar, 18(6), 363–72. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v18i6.9894

Edição

Secção

Investigação Original